Conheça um pouco como funciona o mercado de opções

Yolanda Fordelone

16 de agosto de 2012 | 09h16

bovespa_NiltonFukudaAE.jpg

Opções de compra são mais líquidas que as de venda na Bolsa. Foto: Nilton Fukuda/ AE

Todos os meses quando chega a data de um vencimento de opções analistas dizem que a Bolsa de Valores de São Paulo fica mais volátil. Ontem, por exemplo, o exercício de opções do Ibovespa movimentou R$ 6,66 bilhões, com 155.580 contratos. Mas você sabe como funciona esse mercado?

O mercado de opções equivale ao mercado futuro, porém ele é mais sofisticado. A primeira bolsa a organizar a venda de opções foi a Chicago Board Options Exchange, em 1963. Antes dessa data, alguns investidores já faziam acordos que davam direito a um dos negociantes de decidir sobre um negócio futuro. O negócio, no entanto, envolvia muitos riscos, inclusive por falta de garantias.

VEJA O CALENDÁRIO DE VENCIMENTOS DAS OPÇÕES

Existe duas pontas no negócio: o comprador e o vendedor da opção. Ao adquirir uma opção, o investidor tem a escolha, não a obrigação, de comprar ou de vender um produto, no futuro, por um preço predeterminado em contrato. Ele pode optar se negocia ou não o bem com o vendedor da opção no vencimento desta.

Já o vendedor da opção assume o compromisso de comprar ou de vender o ativo no futuro, se o comprador quiser.

As opções podem dar direito a comprar (opção de compra) ou a vender um ativo (opção de venda). Para ter o direito de optar sobre o negócio, o comprador precisa pagar uma quantia, também conhecida como prêmio, ao vendedor. Se resolve negociar o bem a que a opção se refere, diz-se que ele exerceu o direito.

As estratégias para ganhar dinheiro são muitas. O investidor pode negociar opções apenas para proteger parte da carteira, pode fazer uma aposta direcionada de que a ação vai subir ou cair ou ainda montar operações mais complexas envolvendo os dois tipos de opção, que travam o limite de perda e ganho.

No Brasil, as opções de compra são mais líquidas. Ontem, por exemplo, do volume de operações exercidas, R$ 1,96 bilhão foram de opções de venda e R$ 4,69 bilhões de opções de compra.

Há dois tipos de opções: aquelas em que o exercício só pode ocorrer no dia de vencimento (modelo europeu) e aquelas em que ele pode ocorrer até a data combinada (opção norte-americana).

Tudo o que sabemos sobre:

derivativosmercado futuroopções

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.