Falta de conhecimento é armadilha do home broker

Yolanda Fordelone

23 de setembro de 2010 | 14h42

Boa parte dos investidores que visitam a Expo Money na tarde desta quinta-feira, 23, aproveita para pesquisar o melhor home broker para o seu perfil. O diretor da corretora Icap, Paulo Levy, observa, porém, que existem vantagens e armadilhas ao se operar pela plataforma online. Confira abaixo a entrevista com Levy:

Quais são as vantagens de se operar pelo home broker?

A principal vantagem de operar diretamente na Bolsa é a fiscal, já que o investidor que negocia até R$ 20 mil no mês é isento de Imposto de Renda. No fundo de investimento, isso não acontece. Os custos (de corretagem e custódia) também costumam ser mais baixos do que o da taxa de administração.

E quais são as armadilhas?

Eu apontaria para o desconhecimento. O investidor muitas vezes começa a aplicar sem saber o funcionamento do mercado, como funciona uma opção, uma subscrição, compra sem saber o que está comprando. Há uma semana, por exemplo, um investidor comprou uma quantia grande em subscrições (papéis que dão direito a compra de outras ações, mas que possuem vencimento) e perdeu o prazo. Perdeu todo o dinheiro aplicado.

Como o investidor sabe se está preparado para aplicar pelo home broker?

Hoje em dia a informação é abundante. Eu acredito que nunca ele saiba se está de fato no ponto, mas a partir do momento que ele já pesquisou e conhece o linguajar do mercado, as regras de funcionamento dos investimentos e já passou um tempo observando a Bolsa ele pode começar a aplicar. Se ele não sabe ao certo o que comprar, pode adquirir cotas de fundos (iShares), que já representam uma carteira diversificada.

Tudo o que sabemos sobre:

açõesExpo Moneyhome broker

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.