Dar flores à namorada ficou 9,9% mais caro neste ano; no Dia dos Namorados, veja a alta de preços de cada produto

Dar flores à namorada ficou 9,9% mais caro neste ano; no Dia dos Namorados, veja a alta de preços de cada produto

Yolanda Fordelone

12 de junho de 2013 | 08h36

Presentear quem se ama ficou mais caro neste ano. O preço de alguns produtos e serviços comuns para a época subiu acima da inflação média ao consumidor, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Fazer as unhas, por exemplo, ficou quase 13% mais caro. Dar flores e lingerie custará 10% e 7% a mais, respectivamente.

Dar presentes para o namorado também ficou mais caro. O sapato masculino, por exemplo, está com preço 7,32% superior ao verificado no Dia dos Namorados do ano passado. Acompanhe abaixo alguns itens que ficaram mais caros e quanto tiveram de variação de preço. Os dados são do Sidra/ IBGE.

 joia_Morgue.jpg

Joia: 18,52% (Foto: Morgue File)

unha_morgue.jpg

 Manicure: 12,94% (Foto: Morgue File)

bolsamorgue1.jpg

Bolsa: 12,44% (Foto: Morgue File)

maquiagem_Morgue.jpg

  Artigos de maquiagem: 12,09% (Foto: Morgue File)

 restauranteMorgueFile1.jpg

 Alimentação fora de casa: 11,06% (Foto: Morgue File)

chinelo.jpg

Sandália/ chinelo feminino: 10,37% (Foto: Stock Xchng)

buque.jpg

Flores naturais: 9,91% (Foto: Stock Xchng)

short.jpg

Bermuda e short feminino: 9,7%  (Foto: Stock Xchng)

sapatofeminino-1024x680.jpg

 Sapato feminino: 8,38%  (Foto: Juan Guerra/ Estadão)

surfista_marciofernandesEstadao1-1024x683.jpg

Short e bermuda masculina: 8,18% (Foto: Marcio Fernandes/ Estadão)

relogio_RolexDivulgacaoStockXchng.jpg

Relógio de pulso: 8,02% (Foto: Rolex/ Divulgação)

sapatomasculino-1024x680.jpg

Sapato masculino: 7,32% (Foto: Juan Guerra/ Estadão)

sutia.jpg

Lingerie: 7,17%  (Foto: Reprodução/ Hope)

brinco.jpg

Bijuteria: 6,8%  (Foto: Stock Xchng)

cabeloJKmodelMorgue.jpg

Cabeleireiro: 6,66% (Foto: JK Model/ Morgue File)

 

Tudo o que sabemos sobre:

Dia dos Namoradospresente

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.