Diferença entre aplicar dinheiro em fundo ou fazer consórcio chega a R$ 12 mil em 5 anos

Yolanda Fordelone

13 de agosto de 2013 | 13h47

roleta_morguefile.jpg

 Em consórcio, investidor deve contar com a sorte para ser contemplado antes do fim do contrato. Foto: Morgue File

Entre fazer um consórcio ou financiar a compra da casa própria ou de um bem como um carro, a sugestão da Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) é optar pelo segundo. Segundo a associação, apesar de os consórcios não cobrarem taxas de juros, o investidor deve contar com a sorte para ser contemplado ao longo do contrato. Caso contrário, receberá a carta de crédito ao fim do contrato e perceberá que poderia ter economizado um dinheiro maior caso optasse por um investimento.

Na simulação abaixo, publicada na revista da Proteste, é possível verificar que aplicando R$ 590 por mês, ao fim de cinco anos (60 meses), a diferença entre o valor poupado no consórcio ou em um fundo chega a R$ 12 mil.

 

MêsValores (R$)
ConsórcioPoupançaFundo
1590,00590,02593,63
21.180,001.180,071.190,93
31.770,001.770,151.791,90
4325.370,0025.393,4629.478,58
4425.960,0025.984,5530.272,39
4526.550,0026.575,6631.071,57
5130.090,0030.122,8835.981,74
583.220,0034.262,4341.967,55
5934.810,0034.853,9042.846,00
6035.400,0035.445,3843.730,41

Fonte: Proteste

 

Segundo o colunista de O Estado de São Paulo, Fabio Gallo, o consórcio só vale a pena para quem não tem o hábito de poupar. Leia mais no blog do professor.

Como funciona: no consórcio, o consumidor adquire uma carta de crédito para utilizar para a compra de determinado bem. Para isso, paga uma quantia mensal ao anco. No entanto, ele só poderá utilizá-la se for sorteado nas contemplações periódicas que os bancos fazem ou quando acabar o contrato e ele tiver terminado de pagar. O consumidor pode fazer um lance para ser sorteado, mas para isso precisa ter dinheiro.

Desistência: Segundo a Proteste, o contratante pode desistir do consórcio, mas a intenção deve ser enviada por escrito. Além disso, é preciso se informar sobre as condições de desistência, se há multa, por exemplo. Se a contratação do consórcio não tiver sido feita no banco, o consumidor pode desistir do contrato em até sete dias uteis sem encargo nenhum. Se você não pagar as parcelas do consórcio, pode ser excluído do grupo, mas neste caso tem o direito de receber o que já pagou corrigido pela rentabilidade da aplicação financeira.

 

Tudo o que sabemos sobre:

consórcioinvestimento

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.