Dólar: 10 sugestões para quem vai viajar ao exterior no fim do ano

Dólar: 10 sugestões para quem vai viajar ao exterior no fim do ano

Segundo especialista, cartão de crédito deve ser evitado; Banco Central possui ranking que compara as taxas de câmbio cobradas pelas corretoras

Yolanda Fordelone

10 de novembro de 2014 | 10h02

Foto: Morgue File

Foto: Morgue File

Quem viajou para o exterior no fim de 2013 e comprou dólares por volta de novembro vai encontrar a moeda cerca de 10% mais cara neste ano. Esta foi a valorização do dólar em 12 meses. Atualmente, a moeda é negociada por volta de R$ 2,50.

Segundo a corretora TOV, enquanto alguns especialistas falam que a moeda poderá bater R$ 2,70, outros dizem que até o final do ano poderá chegar a R$ 2,30. O gerente de câmbio da casa, André Carvalho, reuniu abaixo dez sugestões para quem for viajar no final do ano e está confuso sobre qual a melhor estratégia para economizar.

Na pesquisa entre as cotações cobradas pelas corretoras e bancos, vale a pena dar uma olhada na ferramenta do Banco Central que compara as taxas de câmbio.

1) Planejamento financeiro da viagem, ou seja, saber quanto gastará em média por dia, no total e colocar um teto de gastos para excedentes;

2) Compre moeda em espécie ou coloque crédito no cartão pré-pago aos poucos. Com compras parceladas de dólar, é possível conseguir um bom preço médio. Não será paga a pior cotação, nem a melhor;

3) Acompanhar o mercado diariamente para compra de volumes maiores nos momentos de grandes quedas da cotação;

4) Adquirir cartão pré-pago, ainda que seja para um valor pequeno, pois trará conforto e segurança contra roubos e possui taxas sempre melhores que as do cartão de crédito;

5) Ter sempre em mãos o endereço da loja virtual de câmbio de uma instituição idônea para recargas do cartão pré-pago. Se necessário, pedidos em loja virtual, após confirmados os pagamentos em reais, são rapidamente atendidos em até 48 horas. Verifique o prazo de recarga com a instituição escolhida;

6) Evitar uso de cartão de crédito, devido a oscilação do mercado. Além do cartão sempre possuir as cotações mais altas é possível ter uma surpresa desagradável no fechamento da fatura se a moeda oscilar muito;

7) Valores equivalentes a R$ 10 mil em moeda estrangeira, devem ser declarados. Caso contrário o viajante poderá ter sérios problemas com a Receita Federal;

8) Evite transitar com valores altos. Previna-se contra perdas, roubos e furtos;

9) Compare preços em diversas instituições. A diferença entre elas pode ser maior do que 5%.

10) No retorno, havendo sobras, é aconselhável não revender os créditos no cartão pré-pago caso tenha nova viagem programada nos próximos 6 meses. Se a próxima viagem for depois de 6 meses é aconselhável vender para a instituição onde foi adquirido e evitar tarifas de manutenção cobrada pelas administradoras.

Tudo o que sabemos sobre:

câmbiodólarviagem

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.