Dólar bate inflação no semestre; Bolsa e ouro caíram cerca de 20%

Economia & Negócios

01 de julho de 2013 | 09h13

Luiz Guilherme Gerbelli, de O Estado de S. Paulo

O dólar comercial foi a única aplicação que superou a inflação no primeiro semestre. A alta da moeda americana foi de 9,10%. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) – uma prévia da inflação oficial do País – acumula alta de 3,45% no período. O IPCA fechado de junho será divulgado na sexta-feira pelo IBGE.

A moeda americana também teve o maior avanço para o primeiro semestre desde 2002, quando subiu 21,76%. Neste ano, a alta tem sido impactada principalmente pela sinalização do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) de retirar os estímulos da economia já neste ano.

O segundo melhor investimento do semestre foi a poupança antiga, cujo rendimento ao mês é garantido em 0,5% mais a variação da Taxa Referencial (TR). Aplicação rendeu 3,04%, abaixo, portanto, do IPCA-15.

InvestimentoVariação no semestre (%)
Dólar9,10%
Inflação do IPCA-153,45%
Poupança3,04%
Fundos DI (Média)2,75%
CDB (acima de R$ 100 mil)2,70%
Poupança (rend. Selic)*2,52%
Fundos de Renda Fixa (média)2,30%
Fundos DI (Pequenos investidores)2,20%
Ouro-19,27%
Bovespa-22,14%
Fonte:Bolsa de Valores de São Paulo, Banco Central, Anbima, FGV e AE Broadcast

“As aplicações a juros em geral continuam ruins mesmo com o Banco Central subindo a Selic. Quando o investidor tira taxa de administração e Imposto de Renda, o rendimento fica próximo de zero ou negativo”, disse Fabio Colombo, administrador de investimentos. “A vida do investidor nas aplicações a juros continuará difícil.”

A última posição do ranking de investimento foi ocupada pela Bovespa. O Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) recuou 22,14% nos primeiros seis meses do ano – somente em junho, a queda foi de 11,31%. O ouro também acumula forte queda. No semestre, o recuo é de 19,27%.

Veja também: 

Ranking traz instituições com as melhores taxas de câmbio

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

dólarinvestimentosranking

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.