Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Eletrônicos são os mais desejados neste Natal, mas estão em 6º na lista de presentes

Yolanda Fordelone

28 de novembro de 2013 | 15h19

Uma pesquisa da Deloitte sobre consumo neste Natal aponta para o fato de que o brasileiro está passando por uma mudança em seus hábitos de consumo e em seu planejamento financeiro. A parcela de consumidores que planejam economizar seu 13º salário subiu 50% em relação ao que foi registrado na pesquisa de 2012, atingindo agora o correspondente a 36% do total dos entrevistados.

Outros 35% planejam quitar dívidas com esse recurso extra. Essa predisposição não implicará, no entanto, em redução de volume de compras e gastos natalinos, já que 59% dos consumidores pretendem gastar mais ou o mesmo do que gastou em 2012.

Em relação aos presentes, os mais desejados são os aparelhos eletrônicos portáteis (45%), porém, quando se trata de presentes que serão comprados, eles aparecem na sexta colocação. Os destaques para os mais comprados são as roupas (80%), sapatos e cosméticos (ambos com 46%).

Neste Natal, o brasileiro pretende pesquisar mais antes de comprar, conforme indicam 54% dos respondentes. Em média, os entrevistados apontam que deverão gastar R$ 61,85 por presente, 11% a mais do que no ano passado. Vale lembrar ainda que, na pesquisa realizada em 2012, o ticket médio pretendido por presente era de R$ 55,60, mas o gasto efetivo acabou sendo de R$ 57,59.

Em relação à data para realização das compras, como vêm ocorrendo nos anos anteriores, o início de dezembro aparece como o período mais indicado, segundo 46% dos respondentes.

Compras online. Quanto aos canais de compras empregados, confirmou-se a tendência de crescimento do comércio eletrônico, com 64% dos respondentes afirmando que a internet será o canal mais utilizado, seguido por 61% que apontam as lojas de departamento e 56% que indicam os shoppings centers. Apesar de ser o canal online o preferido dos respondentes neste Natal, as lojas físicas deverão ser visitadas, segundo eles próprios, motivados pela experiência de compra, seja por conta do atendimento pessoal, das promoções ou do contato mais direto com o produto antes da realização da compra.

As mídias sociais também foram destaque nos resultados da pesquisa. Quando questionados se utilizarão as mídias sociais como parte de seu processo de compras de Natal, 28% dos entrevistados disseram que sim – contra 22% na pesquisa do ano anterior, enquanto 47% ainda afirmam não utilizá-las para essa finalidade. Nas classes D e E, o percentual de pessoas que utilizarão as mídias sociais é maior, atingindo 40%.

A pesquisa da Deloitte contou com 750 respondentes de todo o Brasil, distribuídos da seguinte maneira nas regiões: Sudeste (26%), Nordeste (27%), Centro-Oeste e Norte (27% somadas) e Sul (20%). Em relação ao gênero, 56% dos respondentes são do sexo masculino e 44% são mulheres. As principais faixas etárias são dos grupos de 18 a 29 anos, com 42% do total da amostra, e de 30 a 44 anos, com 35%.

Tudo o que sabemos sobre:

consumogastosNatal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: