Juros para pessoa física sobem para 5,48% em julho

nayarasampaio

12 de agosto de 2013 | 11h39

Beatriz Bulla, da Agência Estado

SÃO PAULO – As taxas de juros das operações de crédito voltaram a subir em julho pela terceira vez no ano, conforme mostra pesquisa da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

“É a terceira vez que acontece neste ano e (a alta) pode ser atribuída à última elevação da taxa de juros básica promovida pelo Banco Central”, disse em nota o diretor executivo de estudos econômicos da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, em referência à recente alta da Selic, de 8% para 8,5% ao ano. Veja abaixo a variação de cada modalidade de crédito:

 

Tipo de créditoTaxa em julhoTaxa em junho
Taxa geral5,48%5,45%
Comércio4,10%4,08%
Cheque especial7,77%7,73%
CDC1,58%1,53%
Empréstimo pessoal (bancos)3,08%3,04%
Empréstimo pessoal (financeiras)6,99%6,96%
Cartão de crédito9,37%9,37%

 

Para a pessoa jurídica, a taxa de juros média geral subiu de 3,09% ao mês em junho para 3,13% ao mês em julho (44,75% ao ano), também a maior taxa desde novembro de 2012. Os três indicadores analisados apresentaram alta de junho para julho: capital de giro saiu de 1,48% ao mês para 1,52%; desconto de duplicata foi de 2,21% para 2,23%; e conta garantida foi de 5,58% para 5,65% ao mês.

Oliveira, da Anefac, ressalta que, apesar de “os atuais indicadores mostrarem pressões inflacionárias, bem como o fato do índice oficial de inflação estar bem acima do centro da meta do Banco Central, deveremos ter nova elevação da Selic na próxima reunião do Copom”. Por essa razão, o diretor da instituição projeta que as taxas de juros das operações de crédito voltarão a subir nos próximos meses.

A Anefac aponta que, de junho de 2011 a julho de 2013, a Selic baixou de 12,5% ao ano para 8,5% ao ano. No mesmo período, a taxa de juros média para pessoa física baixou de 121,21% para 89,69% ao ano. Nas operações de crédito para pessoa jurídica, a taxa média passou de 61,03% para 44,75% ao ano.

Tudo o que sabemos sobre:

Anefaccréditojuro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.