finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Maioria dos brasileiros usará 13º salário para pagar dívidas, diz Anefac

Nayara Fraga

11 de novembro de 2013 | 11h28

Renan Carreira,da Agência Estado

A maioria dos consumidores brasileiros – 62% ante 61% no ano passado – pretende utilizar os recursos do 13º salário para pagar dívidas. É o que mostra uma Pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), realizada em outubro e divulgada nesta segunda-feira, 11.

Em momento de alta da taxa básica de juros Selic, o investidor deve ficar atento, pois o crédito tem se tornado mais caro. Hoje, também foi divulgada uma pesquisa do Procon-SP, que revela que o juro do empréstimo pessoal subiu para 5,28% ao mês em novembro.

Em nota enviada à imprensa, a entidade credita a alta do endividamento dos consumidores ao ambiente de redução da atividade econômica e inflação mais elevada. Na semana passada, uma pesquisa da Ipsos já havia revelado que cresceu a parcela de pessoas que pretende poupar parte do dinheiro.

O levantamento, junto a 612 consumidores de todas as classes sociais, apurou ainda que recuou de 16% para 14% o total de brasileiros que pretende utilizar o 13º para a compra de presentes, o que, para a Anefac, mostra maiores dificuldade e preocupações com os gastos neste ano. A pesquisa também verificou que 77% dos consumidores têm dívidas contraídas no cheque especial ou no cartão de crédito.

Consumo

iphone4.jpgDe acordo com a Anefac, os produtos que mais vão atrair os recursos do 13º salário serão celulares (74%), roupas (70%) e eletroeletrônicos (68%). O levantamento mostra a preocupação dos consumidores em reduzir o volume de seus gastos neste Natal: 80% pretendem gastar até R$ 500 ante 76% em 2012, enquanto 20% devem gastar mais de R$ 500 contra 24% no ano passado. A maioria dos consumidores (81%) utilizará o cartão de crédito para as compras de Natal.

Tudo o que sabemos sobre:

13º salárioAnefacdívidas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: