Nos EUA, investidores jovens estão mais conservadores que outras gerações

Yolanda Fordelone

05 de fevereiro de 2014 | 10h01

Ao se definir o perfil de investidores jovens, a primeira impressão pode ser de que eles aceitam correr mais riscos em suas aplicações do que os mais experientes. O estudo UBS Investor Watch, do UBS Wealth Management Americas, no entanto, aponta para o contrário.

Investidores jovens nos EUA, de 21 a 36 anos, formam a geração mais conservadora desde a Grande Depressão de 1929. São os chamados Millennials. Enquanto eles descrevem a sua tolerância ao risco como conservador ou um pouco conservador (34%), a média de alocação de ativos é extremamente conservador. Em média, 52% da carteira está em dinheiro, em comparação com os 23% dos demais investidores.

Segundo a pesquisa, a maioria dos Millennials disse que poupar é o melhor conselho financeiro que eles tinham recebido, enquanto que outras gerações afirmaram que investir foi a melhor opção.

Aposentadoria.  Segundo a pesquisa, por conta da volatilidade dos investimentos nos últimos anos, os Millennials estão mais preocupados com a situação financeira de seus pais (21%) do que a Geração X ( 15%) e os Boomers (4%). Tal fato explica tamanho conservadorismo nos investimentos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.