Investidores ricos passam a se achar velhos aos 80 anos, diz pesquisa do UBS

Yolanda Fordelone

22 de outubro de 2013 | 10h41

aposentadoria.JPG

Investidores esperam que a vida profissional passe por três fases. Foto: Morgue File

Octogenário é o novo sexagenário, segundo o estudo UBS Investor Watch com investidores ricos nos EUA sobre perspectivas para a aposentadoria. Segundo a resposta da maioria dos investidores, a pessoa não é considerada “velha” até perder a identidade individual, algo que 70% dos entrevistados não espera antes de completar 80 anos.

Além disso, apenas 16% consideram estar aposentado como um sinal de estar “velho”. Na vida profissional, nove entre 10 entrevistados com menos de 65 anos espera que a aposentadoria tenha três fases:

+ Transição (5-10 anos): horas de trabalho reduzidas, início de um novo negócio ou carreira, ou trabalho voluntário.

+ Um tempo para você mesmo (10-15 anos): Foco em viagens e atividades de lazer.

+ A última valsa (10-15 anos): redução do ritmo, foco no cuidado com a saúde e perda da independência.

Para os americanos ouvidos, a perda de independência individual é marcada por não estar na sua própria casa (71%) e não dirigir seu próprio carro (67%). A expectativa para a segunda fase, de viagens, é grande. Quase metade dos investidores quer viajar aos 65 anos, em comparação com os 22% que disseram que preferem ainda estar trabalhando nessa idade.

Em relação às perspectivas econômicas, os investidores estão divididos no curto prazo (próximo ano): 36% está otimista e 37%, pessimista. No longo prazo (10 anos ou mais), a perspectiva é mais positiva (56% otimistas, 18% pessimistas).

Tudo o que sabemos sobre:

aposentadoriaUBS

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.