Previdência atrai R$ 38,6 bilhões no primeiro semestre, em alta de 16,92%

Nayara Fraga

26 de agosto de 2013 | 12h31

Aline Bronzati, da Agência Estado

Os planos de previdência privada atraíram mais investidores no primeiro semestre. No período, a aplicação atraiu R$ 38,6 bilhões em recursos, aumento de 16,92% na comparação com os R$ 33 bilhões somados em igual intervalo de 2012, segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi). A carteira de investimentos do setor encerrou junho com R$ 354 bilhões. A cifra é 16,89% maior, na mesma base de comparação.

Se avaliada a arrecadação por produto, o destaque foram os planos individuais com arrecadação de R$ 34,5 bilhões. Os planos empresariais e para menores registraram novos aportes de R$ 3,3 bilhões e R$ 840,7 milhões, respectivamente, no primeiro semestre.

O saldo de recursos acumulados pelos titulares dos planos do sistema de previdência complementar aberta (provisões) foi a R$ 344,5 bilhões, com alta de 18,58%, no primeiro semestre de 2013 ante mesmo intervalo do ano passado. As provisões do VGBL cresceram 24,30%, para R$ 226,6 bilhões, enquanto as dos planos PGBL avançaram 9,84% no período, para R$ 75,9 bilhões. As reservas de planos tradicionais, por sua vez, passaram de R$ 38,5 bilhões para R$ 41,5 bilhões, no período, aumento de 7,79%.

Atualmente, o sistema de previdência complementar aberta conta com 12.760.460 contratos ativos e 95.557 pessoas que já estão usufruindo de benefícios como aposentadoria, pecúlio, pensão, renda por invalidez e renda a menores.

Ranking

A liderança do mercado de planos de previdência privada aberta no primeiro semestre deste ano ficou com a Bradesco Vida e Previdência, respondendo por 32,61% do total das reservas. Em seguida, ficou a Itaú Vida e Previdência, com 24,10%. A empresa de previdência do Banco do Brasil, a BrasilPrev, ocupou a terceira colocação com uma fatia de 21,39%. Zurich Santander e Caixa Vida e Previdência vieram em seguida com participações de 5,91% e 5,77%, respectivamente.

Tudo o que sabemos sobre:

PGBLprevidênciaVGBL

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.