Ações do setor elétrico sofrem ‘apagão’ na Bolsa de Valores

Yolanda Fordelone

27 de novembro de 2012 | 13h35

SÃO PAULO – Em 2012, o desempenho do setor de energia da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fugiu à regra. Ao contrário de outros momentos, em que o segmento ia melhor do que a média do mercado, neste ano o Ibovespa sobe 1,4% contra uma queda de 17,8% do Índice de Energia Elétrica.

Energia2.jpgA Medida Provisória 579, que regula a renovação das concessões dessas empresas, trouxe uma incerteza ao setor em razão da menor tarifa que as companhias poderão cobrar, de acordo com a proposta. Com isso, os analistas afirmam que o setor perdeu, momentaneamente, a característica de ser mais defensivo. Ou seja, mais seguro e menos volátil. Para garantir bons dividendos, portanto, o investidor deverá ser mais seletivo na carteira de ações.

“O setor não é mais uma opção para quem quer preservar capital”, disse a analista da Empiricus Research, parceira da rede social para investidores Investmania, Beatriz Nantes. Uma série de concessões que vencem entre 2015 e 2017 será regulamentada pela MP 579, apresentada ao mercado em setembro deste ano.

“Existiam duas possibilidades: o governo renovar a concessão ou editar um novo leilão. O mercado esperava a renovação, a preços menores, mas esses vieram menores do que o imaginado. Houve uma queda no preço de energia de 20% em média”, explicou.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA

Energia1.jpg

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

açõesebergia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.