A covardia do Fed

Paul Krugman

23 de junho de 2011 | 08h10

Não surpreende, realmente, mas choca mesmo assim. O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) prevê um desemprego desastrosamente alto até onde a vista alcança:

0622krugman3_blog480.jpg

E em resposta a essa perspectiva tétrica, ele declara seu trabalho encerrado.

Notem que o Fed não compra a ideia de que há um grande aumento da taxa de desemprego estrutural, de que 9% é o novo normal. Essa coisa mais para a direita, rotulada “longer run” (longo prazo), é de fato a estimativa do Fed para quão baixo o desemprego poderia e deveria ir sem causar problemas de inflação. De modo que o Fed concorda em que alguma coisa deve ser feita para aumentar bastante a demanda.

Mas ele lava as mãos do problema, apesar de Bernanke e seus colegas estarem perfeitamente cientes de que ninguém mais agirá.

Eu estou ciente de que há dúvidas sobre quanto o Fed poderia realizar; eu compartilho essas dúvidas. Mas isso não é razão para não tentar.

Essa exibição de passividade é assustadora. E vergonhosa.

Tudo o que sabemos sobre:

Fer; Ben Bernanke; desemprego

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.