A década que não existiu

Paul Krugman

08 de fevereiro de 2013 | 17h37

John Boehner, de Ohio, afirmou na quarta-feira que:

“Em algum momento Washington terá de lidar com seu problema de gastos. Tenho observado que essa questão está sendo empurrado com a barriga há 22 anos desde que estou aqui. Estou farto. É hora de agir”.

22 anos?  De fato, Boehner foi eleito em 1990 e ingressou na Câmara no início de 1991. Então o que foi feito durante, digamos , sua primeira década no cargo? Vejamos:

Hum…. parece que os Estados Unidos estavam reduzindo drasticamente sua dívida durante a presidência de um certo Bill alguma coisa.

OK,  brincadeiras à parte, isto é importante. Os republicanos inventaram uma história de que houve irresponsabilidade fiscal sempre – e muitos centristas adotaram essa premissa. A realidade que é nosso endividamento era muito baixo e não tínhamos nenhum problema fiscal antes de Reagan; e depois houve um aumento sem precedentes em período de paz de déficits durante o governo  Reagan/Bush;  e em seguida uma grande melhora no governo Clinton; em seguida um esbanjamento do superávit de Clinton mediante cortes de impostos e guerras sem financiamento no governo Bush. E claro, registramos um aumento da dívida durante a Grande Recessão, mas é exatamente quando você contabiliza déficits.

A questão na história falsa que apaga os anos Clinton é que isso transforma o orçamento numa história em que ninguém está errado porque todos erraram e o problema é uma questão genérica de gastos desenfreados. Não é. Teríamos entrado nesta crise com uma dívida muito pequena se os republicanos não tivessem insistido sempre em cortes de impostos.

Mais conteúdo sobre:

Estados Unidosimpostosorçamento