A década que não existiu

Paul Krugman

08 de fevereiro de 2013 | 17h37

John Boehner, de Ohio, afirmou na quarta-feira que:

“Em algum momento Washington terá de lidar com seu problema de gastos. Tenho observado que essa questão está sendo empurrado com a barriga há 22 anos desde que estou aqui. Estou farto. É hora de agir”.

22 anos?  De fato, Boehner foi eleito em 1990 e ingressou na Câmara no início de 1991. Então o que foi feito durante, digamos , sua primeira década no cargo? Vejamos:

Hum…. parece que os Estados Unidos estavam reduzindo drasticamente sua dívida durante a presidência de um certo Bill alguma coisa.

OK,  brincadeiras à parte, isto é importante. Os republicanos inventaram uma história de que houve irresponsabilidade fiscal sempre – e muitos centristas adotaram essa premissa. A realidade que é nosso endividamento era muito baixo e não tínhamos nenhum problema fiscal antes de Reagan; e depois houve um aumento sem precedentes em período de paz de déficits durante o governo  Reagan/Bush;  e em seguida uma grande melhora no governo Clinton; em seguida um esbanjamento do superávit de Clinton mediante cortes de impostos e guerras sem financiamento no governo Bush. E claro, registramos um aumento da dívida durante a Grande Recessão, mas é exatamente quando você contabiliza déficits.

A questão na história falsa que apaga os anos Clinton é que isso transforma o orçamento numa história em que ninguém está errado porque todos erraram e o problema é uma questão genérica de gastos desenfreados. Não é. Teríamos entrado nesta crise com uma dívida muito pequena se os republicanos não tivessem insistido sempre em cortes de impostos.

Tudo o que sabemos sobre:

Estados Unidosimpostosorçamento

Tendências: