Bah – um termo para expressar a frustração

Paul Krugman

22 de setembro de 2011 | 16h10

Está bem, o Fed agiu. E foi um pouco mais enérgico do que o esperado – Ben Bernanke e sua turma peitaram o Partido Republicano.

Falando sério, eles estão tentando usar uma pistola d’água para deter um rinoceronte desembestado.
A política monetária convencional atua por meio de alterações na oferta da base monetária, que é um ativo único, de liquidez sem igual. Se aumentarmos a oferta de pedacinhos verdes de papel estampados com os rostos de presidentes mortos tem início um processo semelhante a um jogo de batata quente no qual as pessoas tentam se livrar deste ativo trocando-o por ativos de maior rendimento e menor liquidez, levando a uma queda generalizada nos juros e possibilitando certas coisas bastante reais e substanciais.

No momento, as pessoas estão se atendo à base monetária na margem simplesmente por causa da sua função enquanto representação de valor, e por isso a política monetária convencional não surte efeito nenhum. O Fed está, portanto, tentando operar numa margem diferente, trocando valores mobiliários de curto prazo por outros de prazo mais dilatado. O problema neste caso é que não há nada indicando que haja tração suficiente nisto. Numa primeira aproximação, os juros para o longo prazo são determinados pela expectativa dos juros futuros para o curto prazo e, se isto bastasse para resumir a questão, o Fed não estaria realizando absolutamente nada com estas medidas.

Ora, numa segunda aproximação, o risco desempenha um papel; e o que o Fed está tentando fazer é jogar com a margem criada pela diferença entre a primeira aproximação e a segunda. Está certo. Mas estamos falando de mercados imensos. O endividamento total nos Estados Unidos excluído o setor financeiro é de aproximadamente US$ 36 trilhões, e o Fed está falando em jogar US$ 400 bilhões deste montante para ativos de longo prazo em vez de curto prazo. Até que ponto este tipo de medida pode surtir efeito?

A principal forma por meio da qual as medidas pouco convencionais do Fed podem funcionar é provocando uma mudança nas expectativas – principalmente as previsões para a inflação futura. E isto não está ocorrendo. Na verdade, as expectativas para a inflação nos próximos 15 anos têm caído rapidamente:


Assim sendo, parabenizo o Fed por ter desafiado as ameaças de morte, e acho que as medidas anunciadas são melhores do que nada. Mas será que são remotamente suficientes? Não.

Tudo o que sabemos sobre:

BernankeFedmedidaspaul krugman

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.