Lições de 1995

Paul Krugman

28 de outubro de 2010 | 16h20

Quando li a citação de Mitch McConnell que está atraindo tanta atenção – “A coisa mais importante que desejo é que o presidente Obama seja um presidente de um único mandato”-, minha preocupação imediata era se ela não teria sido usada fora de contexto. E quem ler a entrevista no National Journal (é preciso assinatura), as nuances são um pouco diferentes das que se poderia extrair da citação isolada.

Mas não de uma maneira positiva.

Quando se lê a coisa toda, o que se observa é que McConnell está tirando uma lição muito diferente dos eventos de 1995 da que foi tirada pela maioria dos especialistas, e que ele espera que os republicanos a tirem. A tentativa toda de pressionar Clinton para reduzir o Medicare bloqueando o governo federal foi um fracasso político para o Partido Republicano; mas McConnell não vê isso como uma evidência de que os republicanos foram agressivos demais.

Não, ele vê como evidência de que eles não foram suficientemente agressivos; eles estavam focados demais em sua agenda política, e negligenciaram o trabalho necessário para destruir Clinton:

Nós sofremos alguns graus de arrogância e agimos como se o presidente fosse irrelevante e que nós passaríamos por cima dele.

Assim, desta vez, eles não vão se empenhar muito em tentar aprovar leis reais; vão se concentrar na coisa importante: enfraquecer o homem na Casa Branca.

Tudo o que sabemos sobre:

ClintonDemocratasMedicareObamaRepublicanos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.