O pior economista do mundo

Paul Krugman

23 de outubro de 2010 | 15h45

Uma ideia: acho que poderíamos usar em economia um prêmio equivalente ao instituído por Keith Olbermann, para a “A pior pessoa do mundo”. Keith, naturalmente, não quer dizer que aquela pessoa que ele persegue numa determinada noite é, de fato, a pior do mundo: apenas usa o título para destacar alguma ação ou declaração que considera execrável.

Eu encorajaria outros a aderirem a esse jogo – e, na verdade, sei que muita gente me concederia o prêmio cinco vezes ao dia se pudesse. Mas eis o que chamou minha atenção: o Real Time Economics do Wall Street Journal explicando (ou melhor, “explicando”) os riscos da desvalorização competitiva:

Quando um país deprecia sua moeda, outros seguem o exemplo. Como resultado, ninguém consegue ganhar nas transações comerciais. Pelo contrário, as desvalorizações pressionam os preços das commodities, como o petróleo. E os preços mais altos interferem negativamente na produção econômica global. Numa indicação sinistra disso, o preço do petróleo subiu 8,7% desde 27 de agosto.

Por que os preços das commodities em dólar tendem a subir quando o dólar cai? Porque outros países também as compram, de modo que um preço em dólar constante significaria uma queda em termos de outras moedas. À primeira vista, você acharia que os preços dos produtos permaneceriam constantes, as outras coisas também, em termos de uma cesta de moedas atreladas ao PIB, em todo o mundo.

Portanto, sim, a queda do dólar tende a elevar o preço do petróleo em dólares – mas tende também a reduzir o preço do petróleo em euros. Uma queda do euro vai a elevar o preço do petróleo em euros, mas reduzi-lo em dólares. (Ufa!). Assim, como seriam as desvalorizações que elevam os preços das commodities em termos de todas as moedas? Eu não sei.

Acho que há uma tendência a se pensar em desvalorização como redução no valor das moedas em relação a alguma coisa externa e eterna – e, em consequência, todos nós ficamos mais pobres. Mas a realidade é que a minha desvalorização é a sua valorização, e vice-versa; não podemos todos desvalorizar ao mesmo tempo.

Mas desvalorização competitiva é uma dessas coisas que as pessoas só sabem que é ruim, e essa noção tão importante tende a desaparecer.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.