Sobre “pequenas empresas”

Paul Krugman

21 de setembro de 2010 | 17h16

Entendo pelos comentários de alguns leitores que eles acharam que numa postagem anterior eu estava afirmando a sério que sou um dono de pequena empresa. Caramba!

A questão, é claro, é que quando os republicanos alegam que 50% da renda de pequenas empresas vão para pessoas na segunda faixa superior do imposto de renda, sua definição de renda de pequena empresa é ampla demais. No relatório da JCT (JCT report, em pdf, o relatório da Comissão Conjunta sobre Tributação) em que eles se apoiam, “renda de empresa” – que é o que eles chamam de renda de pequena empresa – é definida como “receita de únicos proprietários (Formulário C); renda de aluguel de imóveis, royalties, sociedades, corporações, bens e fundos do sub-capítulo S, e veículos para emissão de títulos lastreados em hipotecas (Formulário E); e renda agrícola (Formulário F), que seria lançada nas linhas 12, 17 e 18 do Formulário 1040 de 2010.

O que isso significa é que meus royalties de livros (e os de Obama) são contados como parte do que o Partido Republicano chama de renda de pequena empresa; assim é a renda de sócios em grupos médicos e escritórios de advocacia, boa parte dos gestores de fundos hedge, e assim por diante.

A questão é que eu não sou um verdadeiro pequeno empresário, mas apareço como tal na propaganda anti-impostos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.