Tapeados de novo e de novo e de novo

Paul Krugman

21 de julho de 2010 | 15h24

Não sei se os leitores acompanharam o caso Shirley Sherrod. A situação é a seguinte: Shirley era funcionária do Departamento da Agricultura; um blogueiro de direita divulgou trechos de um vídeo que supostamente mostram comentários racistas feitos por ela; os trechos receberam grande destaque no noticiário da Fox News e o governo Obama a demitiu imediatamente.

Mas, quem diria, o escândalo foi uma fabricação. Os trechos do vídeo foram completamente retirados de seu contexto. Foi basicamente como se eu dissesse “algumas pessoas dizem que a violência é sempre a resposta, mas estão enganadas”, a Fox publicasse uma manchete parecida com “Krugman diz que violência é sempre a resposta”, e o New York Times me demitisse por isso.

O mais chocante nesse caso não é o comportamento da direita, que não fugiu ao esperado, e sim a credulidade aparentemente ilimitada dos habitantes do círculo político de Washington. Quero dizer, há um histórico de casos desse tipo: ACORN, Climategate, Vince Foster, Whitewater e muitos mais. (Recentemente alguém me lembrou que o Partido Republicano realizou duas semanas de audiências sobre a lista de destinatários dos cartões de natal distribuídos pelos Clinton.) Quando a direita começa a fazer barulho e a promover outro suposto escândalo, não devemos suspeitar que se trate de uma fraude – devemos supor que seja uma fraude, até que provas adicionais sejam apresentadas.

E agora Tom Vilsack, secretário da Agricultura, diz que pode “reconsiderar” a decisão tomada. Eu apostaria que a demissão será mantida, apesar de ter sido completamente injusta, porque em Washington as pessoas estão tão acostumadas a se encolher diante da direita que simplesmente não sabem mais quando parar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.