Uma nota sobre a demanda agregada e a oferta agregada

Paul Krugman

20 de janeiro de 2011 | 15h03

Uma nota breve: algo sempre presente nos comentários é a noção de que, como tivemos uma bolha em que algumas pessoas se endividaram demais, o crescimento econômico de 2000-2007 não foi “real” – que foi um produto da nossa imaginação.

Isso é confundir demanda com oferta.

Nós produzimos de fato todos os produtos e serviços contabilizados no PIB; e conseguimos isso porque tínhamos trabalhadores de boa vontade, um estoque de capital suficiente, a tecnologia certa, e assim por diante.

A verdade é que parte dos gastos que criaram a demanda por esses produtos e serviços foi por meio de financiamentos da dívida feita, e esses devedores não podem continuar gastando da maneira como faziam. Mas não significa que a capacidade deixou de existir; quer dizer apenas que, se quisermos manter a capacidade em uso, alguém tem de gastar. Em outras palavras, o crescimento não foi uma ilusão ou uma fraude, mas necessitamos adotar medidas para sustentar a demanda agregada.

E, sim, tenho um modelo.

Tudo o que sabemos sobre:

bolhaconsumodemandamodeloprodução

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.