Zumbis fiscais europeus

Paul Krugman

29 de dezembro de 2011 | 18h57

Dean Baker ficou desapontado ao ver outro artigo afirmando factualmente algo que, na verdade, não passa de um fruto da imaginação dos falcões fiscais: a sugestão de que as economias problemáticas da Europa estavam aumentando o endividamento de seus governos antes da crise.

O que temos aqui, meu caro Dean, é uma ideia zumbi; é impossível matá-la, a não ser com um tiro na cabeça.

Talvez o problema esteja na complicação que surge quando Dean e eu tentamos sublinhar que a situação de Espanha e Irlanda não se parece em nada com a da Grécia. Assim sendo, farei uma nova tentativa: vamos construir um governo europeu problemático “médio”. Uso a proporção entre dívida e PIB fornecida pelo banco de dados do FMI e analiso a situação dos cinco países do grupo mais problemático (Grécia, Itália, Portugal, Espanha e Irlanda – GIPSI, em inglês) de acordo com o seu PIB em 2007. Eis o resultado:

 

122911krugman1_blog480.jpg

A proporção entre dívida e PIB dos países do grupo estava caindo antes da crise. Talvez fosse melhor que esta queda fosse mais acelerada – mas, na época, os europeus não viam problema em anunciar que Irlanda e Espanha eram grandes casos de sucesso, e não havia muitos motivos para que tais países buscassem um desempenho ainda melhor.

O que temos agora é o resultado da crise, e não as consequências de uma irresponsabilidade fiscal anterior a ela.

 

#ET

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.