finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Smiles vende milhas por assinatura

marinagazzoni

14 de outubro de 2013 | 16h45

O Smiles, programa de milhagem vinculado à Gol, lançou em setembro um clube de assinaturas. Os participantes do Clube Smiles pagam R$ 30 por mês e recebem 1.000 milhas.

Esses clientes também receberão milhas adicionais na transferência de seus pontos de cartão de crédito para o programa. O acréscimo será de 5% nos pontos transferidos após seis meses de associação ao clube e de 10% após 12 meses. As milhas compradas por meio de assinatura valerão um ano a mais do que as acumuladas em voos ou por meio de transferência do cartão de crédito

Outra vantagem oferecida aos clientes do clube é que eles receberão as promoções do Smiles antes dos demais.

Vale a pena? Como os preços de passagens (em reais ou em milhas) são variáveis, a conta é vantajosa em algumas ocasiões e, em outras, não.

Se o cliente já tiver o hábito de comprar milhas no Smiles, o clube é vantajoso. O preço da venda de 1.000 milhas no Smiles é de R$ 70, ou seja, 133% a mais do que o valor cobrado no clube.

O risco é investir em milhas e encontrar passagens mais baratas no site da Gol. Em uma rápida pesquisa, encontramos exemplos onde a assinatura é vantajosa e outros em que não é.

Por exemplo, um trecho só de de São Paulo (Congonhas) para Salvador comprado hoje para o dia 23 de novembro custa entre R$ 272 e R$ 1.164 na Gol, dependendo do horário. Em milhas, os mesmos voos custam hoje entre 6.000 e 35.000 milhas. Se o cliente estiver disposto a  viajar em qualquer horário, sai mais barato usar as milhas do clube. Ou seja, pagou R$ 180 por 6.000 milhas, enquanto a passagem mais barata vendida em reais pela Gol custa R$ 272. Neste exemplo valeu a pena.

Em outro exemplo, no entanto, é mais vantajoso comprar a passagem em dinheiro. Uma viagem de São Paulo para Curitiba na mesma data custa, nos horários mais baratos, R$ 107 ou 6.000 milhas (saldo que custa R$ 180 para ser acumulado via Clube Smiles). Sai mais caro, portanto, comprar  com milhas.

Vale lembrar que as milhas acumuladas em voos ou com troca de pontos do cartão de crédito custam zero para o cliente. Então, se ele tiver milhas sobrando, qualquer compra vale a pena.

Conclusão: Como as passagens aéreas usam um sistema de precificação variável, haverá voos em que valerá a pena usar milhas e outras em que sai mais barato pagar em dinheiro. O que realmente fará diferença para a adesão no Clube Smiles será a qualidade das promoções exclusivas para esses clientes e a bonificação para transferências de pontos no cartão de crédito.

Tudo o que sabemos sobre:

milhasSmiles

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.