As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

TAP entra em associação brasileira de aéreas

marinagazzoni

21 de novembro de 2013 | 14h44

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) anunciou nesta quinta-feira a entrada da companhia aérea portuguesa TAP como membro da instituição. É a primeira empresa estrangeira a se tornar membro da associação brasileira, que foi criada em agosto de 2012 por Gol, TAM, Azul/Trip e Avianca.

O presidente da Abear, Eduardo Sanovicz, diz que a associação poderá admitir outras empresas estrangeiras como associadas, mas que o conselho deliberativo da instituição, que permanece restrito às empresas fundadoras. “Elas participam das discussões técnicas, mas não vão tratar de questões políticas e estratégicas do setor”, disse.

A aproximação da TAP com a Abear começou há cerca de dois meses. A empresa portuguesa recorreu à associação para negociar com a Infraero questões relativas à operação no aeroporto de Confins, em Belo Horizonte. A reforma do local inviabilizaria o voo de Belo Horizonte para Lisboa, uma rota que leva cerca de 1.500 passageiros por semana.

“A adesão da Abear faz sentido em função do tamanho da TAP no Brasil. A maior receita da empresa vem do mercado brasileiro”, disse o diretor de marketing da TAP no Brasil, Francisco Guarisa.

Hoje a empresa oferece 77 voos semanais a partir de 10 cidades brasileiras. Com o início dos voos em Manaus e Belém, a empresa ampliará sua oferta para 82 voos semanais.

Segundo Guarisa, a entrada da TAP na Abear não está relacionada ao processo de privatização da empresa. “Vamos tratar de questões operacionais. A privatização é um tema do governo português e não pela companhia aérea”, disse.

Pressão. O governo português tem feito pressão no governo brasileiro para fazer com que grupos nacionais participem do processo de privatização. A Avianca chegou a fazer uma proposta no ano passado, mas ela foi rejeitada por falta de garantias de pagamento, segundo o governo português.

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, chegou a afirmar em junho que o BNDES ofereceria crédito para empresas brasileiras interessadas nas privatizações de Portugal, como a da TAP. A maior pressão do governo era de que a Azul fizesse uma proposta pela aérea portuguesa. A companhia, no entanto, negou interesse na aquisição da empresa.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.