Aplicativo de caronas troca bigodão peludo por bigodinho plástico

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aplicativo de caronas troca bigodão peludo por bigodinho plástico

Equipamentos são usados para identificar os veículos cadastrados pela empresa Lyft, que faz a intermediação entre carros com assentos vazios e interessados em economizar no transporte

Economia & Negócios

27 de janeiro de 2015 | 12h07

Logan Green, fundador do Lyft, com o novo símbolo da empresa (AP)

Logan Green, fundador do Lyft, com o novo símbolo da empresa (AP)

O aplicativo Lyft para smartphones, que virou febre nos Estados Unidos ao facilitar os pedidos e ofertas de carona, decidiu mudar sua imagem.

A marca ficou conhecida quando usuários passaram a personalizar seus carros com um grande bigode peludo cor de rosa no para-choques dianteiro.

Agora a empresa lançou o ‘glowstache’, um bigodinho 2.0. Ele é um pequeno bigode de plástico, do tamanho de uma banana, projetado com um ímã para ficar no interior do veículo, diante do para-brisa.

À noite, o equipamento emite um brilho rosa suave. O Lyft começará enviar os novos bigodinhos aos condutores deste mês, para substituir os antigos bigodões usados desde que a empresa começou a fazer sucesso, em 2010.

Leia também: Aplicativos Uber e Lyft derrubam uso do taxi em 64% nos EUA

Os bigodes peludos que fazem sucesso nos Estados Unidos (Divulgação)

Os bigodes peludos que fazem sucesso nos Estados Unidos (Divulgação)

O Lyft foi criado pelos americanos Logan Green e John Zimmer, que descobriram uma forma de ganhar dinheiro intermediando a oferta de assentos vazios nos carros que circulam nas grandes cidades com a demanda de pessoas que precisam de uma carona, mas não querem pagar um taxi.

O passageiro precisa se cadastrar no banco de dados da empresa e baixar um aplicativo no celular, com dados pessoais e número do cartão de crédito. Depois disso, basta informar a localização e o destino desejado.

O aplicativo mostra a localização dos motoristas mais próximos. O passageiro escolhe um deles e no fim da corrida o aplicativo sugere um valor a ser doado ao motorista. O valor é debitado no cartão de crédito do usuário e o motorista recebe 80% do valor. O Lyft fatura os outros 20%.

Novos bigodinhos começam a ser enviados para os motoristas cadastrados (AP)

Novos bigodinhos começam a ser enviados para os motoristas cadastrados (AP)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: