As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ayrton Senna em velocidade recorde sem Galvão Bueno

Cley Scholz

27 de julho de 2013 | 16h40

SÃO PAULO – Viajar na velocidade do som ganhou um novo sentido no comercial que a Honda preparou para homenagear Ayrton Senna.

Caixas de som, alto-falantes e holofotes espalhados ao longo da pista de corrida de Suzuka, no Japão, trazem de volta a emoção de acompanhar uma corrida com o piloto. Enquanto o som presta a homenagem, a imagem gravada em vídeo lembra a sua ausência na pista que se ilumina à passagem do ronco do motor.

O som gravado é do McLaren MP4/5 conduzido pelo piloto nos anos 80. O filme foi feito para anunciar a volta da Honda à Fórmula 1. A partir de 2015, a empresa retoma a parceria com a McLaren para fornecer motores.

A McLaren e a Honda, juntas, ganharam oito títulos mundiais em cinco anos, quatro de pilotos, com Ayrton Senna e Alain Prost, e quatro de construtores.

Senna foi campeão em 1988. No ano seguinte, na corrida em Suzuka, Senna bateu o recorde de velocidade no treino de classificação, mas perdeu o título após um choque proposital de Prost, em um acidente que entrou para a história do esporte. Se Senna fosse desclassificado, Prost seria campeão mesmo que não terminasse a corrida. Os dois saíram e Prost comemorou.

Senna voltou vencer em 1990 e 1991, tornando-se o piloto mais jovem a conquistar um tricampeonato.

Agora, o filme da Honda leva os fãs de Senna a uma viagem ao passado para sentir a emoção do recorde de velocidade em Suzuka.

A trilha sonora foi remontada com dados gravados da telemetria do motor, sistema de medição eletrônica dos dados de aceleração e rotação que servem para para melhorar cada vez mais o desempenho. O sistema foi introduzido pela Honda nos anos 1980.

Senna morreu em 1 de maio de 1994, em um acidente em Ímola, durante o Grande Prêmio de San Marino, ao chocar-se contra uma parede na curva Tamburello a cerca de 200 quilômetros por hora.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.