finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em propaganda da Motorola, smartphone preguiçoso ganha versão humana

Mariana Congo

09 de setembro de 2013 | 19h05

Seu atual smartphone é preguiçoso. Para criticar a concorrência e lançar o Moto X, a Motorola fez três filmes publicitários que estrelam um homem com jeito… lento, devagar e… preguiçoso. Ele faz o papel de um smartphone que mais atrapalha do que ajuda a vida do usuário.

Os três comerciais foram publicados no YouTube hoje e serão lançados na TV norte-americana na quinta-feira.

O Moto X foca em dois pontos para se diferenciar da concorrência (principalmente do iPhone e do Galaxy): reconhecimento de voz e gestos.

Os filmes publicitários mostram o “Lazy Phone” (telefone preguiçoso) com dificuldades para entender comandos de voz, enquanto o Moto X responde prontamente.

Em outra peça, uma mãe não consegue fotografar o filho em uma apresentação da escola porque seu telefone demora a desbloquear, enquanto o Moto X ativa a câmera fotográfica quando o aparelho é chacoalhado duas vezes.

O Moto X é parte importante da estratégia da Motorola desde que a empresa foi comprada pelo Google no ano passado. Ele foi apresentado pela empresa no fim de agosto e lançado no Brasil na semana passada (mas só chega às lojas no dia 17 de setembro).

Concorrência. Com dois eventos da Apple programados para essa semana, o mercado aguarda o possível lançamento de dois iPhones. Um deles seria o próximo smartphone carro-chefe, o iPhone 5S. Outro poderia ser o aparelho de baixo custo, chamado de iPhone 5C.

A “briga” entre modelos de celular não é nova na publicidade. Apple e Samsung já trocaram farpas em filmes anteriores. Recentemente, a Samsung da Islândia fez um filme que faz referência – literalmente – à maçã. Na peça, uma pessoa tenta “interagir” com uma maçã e não consegue.

Tudo o que sabemos sobre:

Moto XMotorola

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: