As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Publicitária tem por objetivo reinventar o sexo na internet

Cindy Gallop, que já comandou contas como Coca-Cola e RayBan, falou de seu site em Cannes Lions

blogs

20 Junho 2016 | 08h43

Fernando Scheller enviado especial / Cannes

Figura importante do mundo publicitário nas últimas três décadas, a holandesa Cindy Gallop já comandou contas como Coca-Cola e Ray-Ban. Ela também ajudou a rede BBH a ganhar espaço em mercados como Estados Unidos e Ásia-Pacífico. Em 2003, foi escolhida a mulher mais importante da publicidade de Nova York. Nos últimos anos, no entanto, ela vem se dedicando a um projeto pessoal e ousado: reinventar o sexo na internet. O projeto de Cindy leva um título sugestivo: “Make love not porn” (“Faça amor, e não pornografia”).

Em uma das sessões mais concorridas de ontem do Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade, a publicitária de 56 anos explicou a intenção por trás do projeto: trazer o sexo real, com intimidade, para a web. Para tentar concorrer com sites pornográficos, Cindy desenvolveu um projeto ambicioso: fazer de “Make love not porn” uma rede social de sexo, que se debruçará sobre um assunto que é tabu para sites como Facebook e YouTube.

Em resumo: a ideia é que as pessoas usem o site criado por Cindy para postar vídeos sexuais íntimos da “vida real”. O projeto tem a intenção de esquentar o debate sobre sexo e também exibir conteúdos que sejam mais naturais e menos coreografados. “Acho que os sites pornôs estão fazendo um bom trabalho em atender os homens, mas se esquecem que as mulheres são metade de sua audiência. Busco uma experiência visual completamente diferente.”

Mais do que isso, o site será uma plataforma para debates sobre sexo na internet. Embora existam várias empresas de tecnologia se dedicando ao tema – aplicativos como Tinder e Grindr têm milhões de usuários em todo o mundo –, Cindy espera fazer a diferença ao focar em “unir as pessoas no mundo real”, criando diálogo sobre o tema, e não ser apenas um hardware que facilita encontros entre desconhecidos.

“É preciso falar sobre o assunto, pois o compartilhamento de informações pode transformar relações”, diz a publicitária. “E eu acho que a melhor experiência sexual que se pode ter é quando a gente sabe que foi capaz de proporcionar imenso prazer ao nosso parceiro.”

Marcas. Outro desafio do projeto “Make love not porn” é angariar interesse das marcas. A relação das marcas com o sexo – e a necessidade de transformá-la – será tema de uma “master class” que Cindy apresentará em Cannes Lions amanhã. “O sexo é usado, mas de uma maneira muito superficial, sempre com o objetivo de tratar alguém, especialmente a mulher, como um objeto. Acho que está tudo muito na superfície.”
Às marcas interessadas em iniciar um diálogo honesto sobre sexo e em investir em seu site, Cindy deu um recado ontem: “Estou interessada em parceiras. Meu e-mail é cindy@makelovenotporn.com.