As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sony recria casa do brasileiro

Yolanda Fordelone

12 de agosto de 2013 | 07h52

Nayara Fraga, de O Estado de S. Paulo

Para produzir a campanha publicitária de vários produtos (entre eles notebook, TV, câmera digital e home theater), a Sony montou uma megaestrutura numa casa no bairro de Alto de Pinheiros, em São Paulo, no mês passado.

rodrigofarosony_Divulgacao.jpg

O trabalho começou uma semana antes das gravações. As paredes tiveram de ser pintadas, cada uma, de amarelo, verde ou azul, para fazer referência à bandeira do Brasil.

As salas e os quartos foram montados sem muito luxo. As peças do home theater, por exemplo, estavam dispostas sobre chão, rack e aparador, como que de improviso. “Podíamos ter produzido uma sala toda high tech, dado o design do produto; mas a sala do brasileiro não é assim”, diz o gerente de comunicação e marketing da Sony, Luciano Bottura.

A casa reuniu uma equipe de cerca de 50 pessoas no dia da gravação. Entre elas estavam argentinos da produtora Landia e a equipe da agência David, que bolou a campanha.

A imagem acima, feita na sala, faz parte do comercial do home theater, na qual Rodrigo Faro recebe os amigos em casa para assistir a um jogo do Brasil. Para chegar à torcida ideal, os oito atores, mais o famoso apresentador, repetiram a encenação seis vezes. Um balde de pipoca jogado ao ar exigia a intervenção do aspirador de pó em todos os intervalos.

Neste comercial, Faro mostrará o efeito do botão “torcida”, um recurso para aumentar o som ambiente do estádio e emudecer o locutor.

A Sony produziu, no total, seis filmes durante três dias. Um deles teve de ser feito na piscina, para mostrar que a câmera é à prova d’água. O problema era o frio que fazia em São Paulo naquela semana. A solução foi aquecer a água da piscina, para os atores não congelarem nas cenas subaquáticas.

(Foto: Reprodução)

Tudo o que sabemos sobre:

Rodrigo FaroSony

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.