As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Agricultura do futuro

Jose Vicente Caixeta Filho

28 de maio de 2014 | 11h26

Estou chegando de volta de Brasília, meio gripado mas extremamente satisfeito por ter participado de evento intitulado “Um novo olhar sobre a agricultura brasileira”. Organizado pelo ”Fórum do Futuro”, entidade sem fins lucrativos, apartidária e com um trabalho permanente focado na promoção de seminários e publicações assim como no desenvolvimento de canais de comunicação que favoreçam o debate de propostas consideradas estratégicas para o Brasil.

Características importantes que marcam os membros do Conselho Consultivo desse “Fórum do Futuro”: todos têm pelo menos 70 anos de idade e uma trajetória consolidada de contribuições feitas ao país.

Estou meio longe dos 70 mas estava lá, como representante da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP) e junto com colegas dirigentes da Embrapa, da Universidade Federal de Viçosa, da Universidade Federal de Lavras, do Centro de Estudos em Agronegócios da Fundação Getúlio Vargas (GV-Agro) e do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA).

Duas primeiras iniciativas deverão ser desenvolvidas com o apoio e envolvimento dessas instituições: “Projeto de Decodificação de Dados Complexos da Agricultura Brasileira” e “Projeto Novos Talentos para a Agricultura Brasileira”.

O primeiro projeto, com o objetivo de colaborar com o reposicionamento da imagem técnico-cientifica da Agricultura enquanto instrumento do desenvolvimento econômico sustentável no Brasil, deverá incluir proposituras relacionadas a: demonstração da qualidade e da profundidade do impacto econômico e social da Agricultura sobre a qualidade de vida dos brasileiros; apresentação das conquistas na área da sustentabilidade já resultantes do esforço técnico-científico nacional; esclarecimento sobre o sentido de pesquisas e políticas científicas já em curso e cujos objetivos respondem diretamente aos anseios manifestos nas correntes formadoras da opinião pública em meio urbano; construção de argumentação cientificamente chancelada que ofereça sustentação ao discurso às instituições e empresas brasileiras que operam no cenário internacional.

Já o segundo projeto é mais direcionado para o reposicionamento da imagem técnico-cientifica da Agricultura no meio acadêmico, tendo em vista a importância do agronegócio para a economia do País e o distanciamento de jovens talentos das necessidades de evolução da tecnologia agrícola tropical. Mais particularmente, deverá detalhar o potencial do setor junto a alunos de economia, engenharias e áreas afins, além daqueles das Ciências Agrarias; proporcionar a esses estudantes uma visão estratégica do setor, que vem sendo redesenhada pelo novo cenário mundial de demanda na produção de alimentos; promoção do empreendedorismo e criação de startups, fomentando o desenvolvimento de tecnologias que aprimorem a produtividade e as soluções de sustentabilidade no setor.

Inteligências integradas garantindo um futuro mais promissor para a sustentabilidade da Agricultura brasileira? Aguardemos…

José Vicente Caixeta Filho é Professor Titular e Diretor da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ) da Universidade de São Paulo (USP). As opiniões documentadas neste post não necessariamente refletem o posicionamento institucional da ESALQ/USP.

Tendências: