As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

As pesquisas podem errar?

Nesse primeiro turno último de eleições majoritárias que participamos, os Institutos de Pesquisa erraram por demais. Talvez a teoria estatística já esteja observando uma rebelião? Sou totalmente contrário à indução que as pesquisas possam eventualmente trazer a um eleitor obrigado a votar. Ninguém gosta de perder... Muito menos a nossa agricultura.

Jose Vicente Caixeta Filho

09 de outubro de 2014 | 12h04

Somos sensíveis. Talvez essa seja a marca principal do ser humano.

Seja por aquele olhar mais fixo e raivoso que às vezes encaramos, seja pela reprovação de algum ato que tenhamos praticado, ficamos tristes e às vezes até adoecemos (a tal da “somatização”).

Por outro lado, parece que esse tipo de fenômeno pode vir a integrar uma rebelião em torno da chamada estatística básica.

Um colega uma vez me trouxe a seguinte imagem: você provaria uma bala de um cesto que contém 100 balas, sabendo que (apenas) uma delas está envenenada?

Outro caso: numa avaliação de um professor por um grupo de 100 alunos, dos 100 questionários respondidos apenas dois trouxeram críticas pesadas àquele docente. Qual resultado que afetou mais aquele indivíduo: as 98 avaliações favoráveis ou as 2 desfavoráveis?

Nesse primeiro turno último de eleições majoritárias que participamos, os Institutos de Pesquisa erraram por demais. Talvez a teoria estatística já esteja observando essa rebelião?

Sou totalmente contrário à indução que as pesquisas possam eventualmente trazer a um eleitor obrigado a votar.

Ninguém gosta de perder… Muito menos a nossa agricultura.

Talvez esses tipos de vieses possam ser resolvidos no sistema eleitoral brasileiro, com a oportunidade do “segundo turno”.

O ser humano, ser sensível, precisa dar as costas a essa tentativa de “rebelião estatística” e demonstrar que a MAIORIA, sim, faz a diferença.

Isso certamente afeta nossas motivações, metas a serem alcançadas. A sensibilidade exercida a partir daquela MAIORIA de coisas que dão certo, positivas, vai nos tornar cidadãos cada vez mais entusiasmados com a perspectiva de dias melhores. Para os mais diversos segmentos de nossa sociedade. Inclusive para a nossa agricultura.

Tudo o que sabemos sobre:

Pesquisas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.