Foco na Carreira: Abordagem colaborativa na mudança organizacional
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Foco na Carreira: Abordagem colaborativa na mudança organizacional

blogs

10 Novembro 2018 | 16h00

Foto: Pixabay

Fabrício César Bastos*

O que mais tenho visto recentemente nas organizações com as quais tenho trabalhado são movimentos de mudança e transformação.

Alguns deles planejados e conscientes como em um processo de fusão e aquisição; outros como consequência da aposentadoria ou saída de um diretor e novos líderes chegando do mercado para ocupar a cadeira ou a sucessão ocorrendo dentro da empresa.

Independentemente do tamanho do projeto de mudança, um ponto de atenção que precisa ser observado é o quanto a abordagem colaborativa está sendo utilizada. Isto é tão importante que deveria ser tratado sempre como o principal fator crítico de sucesso em gestão de mudanças.

Por abordagem colaborativa quero dizer o quanto o grupo e/ou a liderança tem utilizado o “Nós” em vez do “Eu”. Parece algo simples e com pouca importância, porém o que tenho visto de resultados organizacionais no final do dia é o sucesso ou a falta de triunfo para a transformação de fato ocorrer.

Isto se reflete no plano de ação, nas reuniões e até mesmo na comunicação: “vocês precisam aprender isso…”, “eu desenhei esta estratégia e acredito que esta é a melhor solução…”. Claro que devemos considerar todo o contexto e, por diversas vezes, um grupo mais específico ou até mesmo uma pessoa tomará a decisão; entretanto é necessário ter o mindset da abordagem colaborativa, pois caso contrário a tendência é ocorrer a separação, seja de ideias, posicionamento ou até mesmo das pessoas.

Quando se trabalha o mindset de abordagem colaborativa (inicialmente identificando qual é o mindset atual e criando possibilidades para desenvolver o mindset de integração) cria-se espaço para um ambiente mais colaborativo e mesmo com as diferenças (sejam elas de personalidades, experiências, idades, gêneros, formações etc.) é possível construir um espírito de equipe.

Com isso, o roll out de projetos de mudança terão probabilidade maior de começar com uma visão compartilhada e integrada. Seria o que o famoso autor Kotter pontua como a “coalização orientadora”. Resumindo a visão dele, para ter mais chance de sucesso em mudanças organizacionais, é imprescindível começar com a “fundação” correta das pessoas que farão parte do time.

Quando as pessoas internalizam o mindset da abordagem colaborativa falando e vivendo o “Nós” em vez do “Eu” existe espaço para algo muito potente acontecer: a dedicação do time no engajamento de fazer as coisas acontecerem.

*Professor da PUC-SP