Empresas buscam jovens líderes em nome de oxigenação
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Empresas buscam jovens líderes em nome de oxigenação

Para executivos e estudantes que participaram do programa CEOx1dia, choque de gerações serve para aprendizado com diferentes perspectivas

Vinícius Passarelli

14 de setembro de 2019 | 17h00

ESPECIAL PARA O ESTADO

Diante de um mercado de trabalho que busca inovação, a dificuldade não está em haver ou não jovens talentos disponíveis, mas em saber como e onde buscá-los. É o que pensa Luiz Wever, managing partner (sócio-gerente) da Odgers Berndtson, empresa de recrutamento de executivos que pelo quinto ano consecutivo promoveu no Brasil o programa CEOx1dia. A iniciativa, realizada em parceria com o Estado, recruta universitários do País inteiro para passar um dia na vida de executivos de grandes empresas.

“Esses jovens têm um diferencial muito grande, são pessoas que já estão se preparando para assumir responsabilidades maiores, com projetos e estratégias. O programa contribui para sua evolução e seu amadurecimento e, de certa forma, para catapultá-los no mercado de trabalho.”

Wever destaca o processo que seleciona esses participantes, passando por escolha do currículo, teste de psicometria e entrevista com os sócios da Odgers, que são especialistas em recrutamento de lideranças. “As empresas estão ávidas em achar pessoas como essas, e o nosso processo de seleção é praticamente igual ao processo de seleção de um diretor.”

O CEO da Heineken, Maurício Giamellaro, e o estudante Vinicius Zillinski, no centro de distribuição da empresa. Foto: Felipe Rau/Estadão

Nas duas semanas entre agosto e setembro em que 23 universitários acompanharam CEOs, o estudante de engenharia de produção da USP Vinicius Zillinski, de 23 anos, passou o dia ao lado de Maurício Giamellaro, CEO da Heineken no Brasil.

“Conheço outras pessoas que participaram em edições anteriores e que tiveram diversas portas abertas. Sem dúvida, teve impacto na carreira delas”, conta o futuro engenheiro, segundo quem o programa lhe “abriu a cabeça”.

Já o CEO da Heineken destaca que a visita do jovem traz para eles, executivos, perspectivas e visões que não estão no seu radar. “Aquela pergunta muitas vezes inocente o leva a pensar coisas que você parou de pensar, o faz enxergar árvore onde você só via floresta. Achei muito positiva (a visita), gostei bastante”, diz Giamellaro.

O executivo, que está à frente da Heineken no País desde o começo deste ano, também avalia que a presença do jovem traz uma percepção da realidade. “A gente tem padrões de comunicação que vem de experiências passadas e esses jovens desafiam tudo isso. Muitas coisas que para você são claras, para eles é diferente”, destaca.

Foco na mão-de-obra jovem

Na Cognizant, empresa que também participou desta edição do programa de CEO por um dia, o foco da seleção está nessa mão-de-obra jovem, mas ainda assim há muitas vagas em aberto. “Temos 2.000 colaboradores no Brasil, 70% com menos de 30 anos. Mas buscamos 30% de capacidade técnica e 70% de postura. Temos mais de 180 vagas em aberto e não conseguimos encontrar gente com o perfil desejado para preenchê-las”, diz o CEO João Lúcio de Azevedo Filho, segundo quem o diferencial para trabalhar na Cognizant é a resiliência.

O CEO Maurício Giamellaro e o estudante Vinicius Zillinski em atividade das equipes de vendas na Heineken. Foto: Felipe Rau/Estadão

Para a estudante Taynara Teixeira, que faz administração na Universidade de Fortaleza (Unifor) e acompanhou o dia ao lado de Azevedo, a visita na empresa superou suas expectativas. “Eu acompanhei reuniões de acompanhamento de projetos, alguns calls internacionais, e o João Lúcio é uma pessoa extremamente simples e inteligente. Realmente, aprendi demais nesse dia que vivi com ele”, diz ela, que planeja fazer um MBA em gestão e liderança após terminar a graduação.

Já Heitor Leão, de 24 anos, que estuda engenharia mecânica-aeronáutica na Universidade Federal de Itajubá (Unifei), destaca como o executivo consegue sintetizar uma complexidade de assuntos de forma rápida. Leão acompanhou o dia de Gilney Bastos, CEO da White Martins, no escritório da empresa no Rio de Janeiro.

“A rotina foi cheia, com várias reuniões que tratavam de assuntos importantes, onde a tomada de decisão nem sempre era fácil. Porque envolvia um horizonte futuro que pode tomar inúmeras direções, o que me atentou para a responsabilidade do cargo de CEO.”

Gilney Bastos destaca a importância da oxigenação trazida pelos jovens ao mercado de trabalho. “Iniciei minha carreira na companhia também jovem e, agora, tive oportunidade de trocar ideias com alguém que está começando no mercado de trabalho. Um mercado que é bem diferente de quando me formei”, diz ele, segundo quem o programa CEOx1dia permite entender a perspectiva dos jovens talentos. “Nos mostra como podemos atraí-los e retê-los.”

Tendências: