Pesquisa mostra quadro da desigualdade salarial entre homens e mulheres
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pesquisa mostra quadro da desigualdade salarial entre homens e mulheres

Empresas pesquisadas fazem parte da Aliança para o Empoderamento das Mulheres; levantamento com mais de 40 mil funcionários mostra que trabalhadoras são mais sub-representadas no nível estratégico das organizações

blogs

22 Setembro 2018 | 07h03

Discrepância salarial no Brasil atinge 22%. Foto: Pixabay

 

Pesquisa sobre remuneração com foco na discrepância salarial entre homens e mulheres realizada com empresas do setor de indústria e serviços que fazem parte da Aliança para o Empoderamento das Mulheres, .mostra o quadro atual de discrepância salarial  no conjunto dessas companhias. A Aliança  foi criada em 2011 com o intuito de desenvolver práticas corporativas que contribuam para o aumento da representação feminina nos negócios.

Participaram do levantamento: Avon, Accenture, Cummins, Dow, Ernst & Young, IBM, KPMG, Maersk Line, Onu Mulheres, PwC, Talenses, Unilever e Whirlpool. Entre os mais de 40 mil funcionários das organizações analisadas, 42% são mulheres.

Leia abaixo as principais considerações do estudo:

Salário. No Brasil, a diferença salarial entre homens e mulheres chega a 22%. Na União Europeia, a Alemanha é o país que apresenta a maior disparidade, também com 22%. No Reino Unido, a diferença é de 16% e nos Estados Unidos é de 18%. Nas empresas analisadas, a disparidade é de 16%. Para cargos de direção, a variação média aumenta para 27%.

Áreas. Nas áreas administrativas e operacionais, as diferenças salariais entre os dois gêneros é, em
média, de 21%. Nas áreas comerciais, no entanto, essa diferença atinge o maior percentual, de 45%. As áreas com maior participação feminina são: Recursos Humanos e Desenvolvimento Organizacional (74%), Economia, Finanças e Administração (62%) e Planejamento, Comunicação e Informação (61%). Já a área da Tecnologia da Informação (TI) é predominantemente masculina, com apenas 38% de mulheres.

Escolaridade. 78% dos homens possuem diploma de ensino superior, já a taxa de formação para as mulheres é de 69%. Aqueles com curso superior de ambos os gêneros recebem, em média, 71% a mais que aqueles que possuem apenas o ensino fundamental. As diferenças salariais entre homens e mulheres formados é de 6%, em média.

Estado Civil. Dentre as funcionárias das empresas analisadas, 48% são casadas, 32% solteiras e 20% divorciadas/viúvas/outro. A diferença salarial entre homens casados e mulheres casadas é de 9%. Entre solteiros, o número sobe para 10%. A diferença salarial entre aqueles que se declararam divorciados/viúvos/outro é de 5%. A taxa mais alta vai para a discrepância de salário entre homens casados e mulheres solteiras, que chega a 25%.

Filhos. 56% das mulheres não têm filhos. A diferença salarial entre homens e mulheres com filhos é de 17%. Entre os sem filhos, cai para 10%.

Faixa etária. A maior discrepância entre salários está entre os mais velhos, com 60 anos ou mais: a média chega a 58%. No outro espectro, a faixa entre 31 e 35 anos é aquela com menor discrepância, de apenas 0,2%.

Tempo de empresa. 3% dos homens e 2% das mulheres que trabalham nas entidades analisadas têm 35 anos ou mais de instituição. Nessa faixa, a diferença salarial média é de 64%.

Plano de carreira. O potencial de crescimento na carreira para homens é 33% superior ao das mulheres. Nos planos de sucessão, o percentual de homens é 41% superior ao sexo feminino.

Mais conteúdo sobre:

Igualdadedesigualdadesalários