Entrevista com o CEO – Eduardo Barella, CEO da Progen

Entrevista com o CEO – Eduardo Barella, CEO da Progen

Ligia Aguilhar

15 de fevereiro de 2011 | 10h00

Desde outubro de 2009, Eduardo Barella, de 30 anos, é CEO da Progen, empresa brasileira de engenharia consultiva e gerenciamento de projetos.   Filho do fundador, José Ricardo Barella, o jovem assumiu o cargo após realizar uma operação para se capitalizar e adquirir 49% das cotas da empresa de outro sócio.   Desde então, realizou uma série de reestruturações para profissionalizar a empresa e reposicionou a marca no mercado.   Em 2010, a Progen faturou R$ 260 milhões.   Agora, neste ano, espera crescer 30% e chegar aos R$ 350 milhões.

Qual o objetivo das mudanças que você promoveu quando assumiu o comando da Progen?
No início de 2009, observamos que o Brasil estava recebendo muita atenção de empresas internacionais e que algumas transações no mercado tornavam o País mais competitivo.   Notei que empresas de porte médio, como a Progen, teriam de crescer e se consolidar no cenário brasileiro e internacional ou ficariam reduzidas a um mercado muito específico.   Por isso, precisávamos de uma estratégia de crescimento agressivo e consolidar a empresa no setor, o que só seria possível com uma estrutura profissional.

Há uma escassez de profissionais na área de engenharia.   Como lida com isso?
Nós observamos essa situação como um ponto crítico para o crescimento da empresa.   Hoje, trabalhamos de forma muito forte na capacitação dos jovens e estamos preparando um grande investimento em treinamentos.   Nós também apostamos na consolidação da empresa, inclusive no mercado internacional, o que desperta o desejo do profissional de trabalhar conosco.

Como você lida com o fato de ter se tornado um CEO tão cedo?
Eu troco experiências não só com o meu pai, mas com todos os outros seis diretores da empresa com mais experiência do que eu.   O desafio é enorme, muitas vezes as pessoas me conhecem de nome e não sabem que eu sou tão jovem, mas me sinto preparado.

Você chegou ao topo da carreira cedo.   Quais os seus planos para o futuro?
Eu tenho uma missão com começo, meio e fim.   Agora, devo consolidar esse crescimento.   A partir do momento que entendermos que tivemos sucesso, pretendo me juntar a meu pai no conselho diretivo.

Qual a sua dica para quem está começando?
O mais importante é fazer um bom planejamento do futuro e saber quais as qualificações e experiências profissionais são necessárias para atingir seu objetivo.

(Entrevista publicada no caderno Empregos em 13/02/2011)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.