Fisiognomia: as mensagens que o rosto transmite

Clara Massote

26 de janeiro de 2011 | 18h23

Você chega ao trabalho bem humorado. Mas ao se deparar com o semblante sisudo de seus colegas, seu sorriso é automaticamente convertido em cara fechada. Por quê? Essa e outras questões podem ser analisadas pela fisiognomia, ciência que estuda o formato e as expressões do rosto e sua relação com a personalidade e o comportamento do analisado.

De acordo com Valquíria Martinez, autora do livro Os Mistérios do Rosto, qualquer sentimento é imediatamente transmitido ao rosto. “Não é uma coisa que você pode controlar. É automático.” Para a autora, a fisiognomia pode ajudar a melhorar a comunicação entre as pessoas. “Nós já nascemos com a habilidade de ler e interpretar a expressão dos outros. Reconhecer o estado de espírito de alguém antes mesmo de abordá-lo é uma ferramenta essencial, principalmente no ambiente de trabalho”, conta. O que é preciso, no entanto, é aperfeiçoar essa capacidade.

Segundo Valquíria, que ministra cursos para profissionais da área de recursos humanos, as feições podem ser determinantes em uma entrevista de emprego, por exemplo.“As vezes o candidato nem tem o melhor currículo, mas ganha a vaga por ter uma feição de coragem.” Para quem está nervoso antes de uma entrevista, a autora sugere que respire fundo e projete pensamentos bons. “A insegurança é facilmente identificável no rosto.”

Quanto à situação descrita no início do texto, Valquíria explica. “Nós temos o hábito de imitar a feição do outro, sem saber. Isso pode ser determinante em um escritório, por exemplo, pois podemos contaminar os outros com nosso estado de espírito.” Quer fazer o teste? Experimente chegar ao trabalho sorrindo todos os dias: só não vale ser vencido pela carranca alheia.

Matéria publicada originalmente no caderno Empregos & Carreiras de 23 de janeiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.