Mulher trabalha duro no mesmo emprego há 20 anos. Ela é autista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mulher trabalha duro no mesmo emprego há 20 anos. Ela é autista

Claudio Marques

18 Abril 2018 | 07h28

 

Jeanine Lazili, no seu local de trabalho   na Sun Life Financial. Foto: Kayana Szymczak/The New York Times)

 

Por Patricia R. Olsen / The New York Times

Jeanine Lazili, de 48 anos, é assistente administrativa na Sun Life Financial, em Welley, Massachusetts

Você frequentou The New England Center for Children (N.E.C.C), uma escola e instituto de pesquisas que ajuda crianças com autismo. Como foi sua experiência nessa escola?
Minha mãe me inscreveu lá em 23 de junho de 1987, quando eu tinha 17 anos. Sou boa em lembrar datas. Morava numa casa com outros estudantes, frequentava a escola e fazia curso de orientação vocacional e outros. Gostava do curso vocacional e gostava de frequentar a biblioteca pública. Quando terminei a escola, o N.E.C.C. me ajudou a conseguir este emprego.

 O que você faz na Sun Life Financial?
Toda manhã, um de meus colegas de trabalho me entrega um envelope contendo fotocópias de cheques para segurados e outros documentos, como formulários para atualização de endereço. Eu preparo o material para ser escaneado. Tiro grampos e colo rasgaduras. Verifico se há itens a serem modificados, como novos endereços. Se houver, ponho uma marca vermelha. Então, tiro uma cópia e ponho a cópia num escaninho para um colega escanear. Em seguida, ponho o original com a marca vermelha numa pasta para um supervisor checar meu trabalho.

Quantos documentos passam por dia por suas mãos?
Não sei, mas tenho muito trabalho, que faço com atenção para não cometer erros. Estou aqui há 20 anos. Comecei em 20 de outubro de 1997. Antes, trabalhei numa empresa pondo arquivos em ordem alfabética.

Como é um dia típico?
Saio de casa às 8 horas para trabalhar. Venho numa minivan com um colega de quarto que também trabalha aqui. Trago almoço de casa. Cumprimento todo mundo. Um de meus supervisores, Rachel, coordenadora de meu programa no N.E.C.C., volta para casa comigo após o trabalho. Ainda moro numa casa do N.E.C.C. Nem sempre sei quando é minha vez de fazer o jantar. À noite, às vezes assisto a Jeopardy ou a Wheel of Fortune.

Do que você mais gosta no trabalho e no tempo fora dele?
No trabalho, tenho minha própria mesa e telefone. Gosto de preparar pastas e conviver com os colegas. Fora dele, gosto das férias. Trabalho e tiro férias como qualquer um. Vou para Vermont em agosto com minha mãe. Tem de usar protetor solar. Aqui, gosto de jantar no Bertucci’s. Nas noites de sexta vou ao Starbucks. Nos fins de semana, saio para tomar sorvete. Geralmente vou com um dos encarregados da casa e o pessoal que mora comigo.

Você aprende novas partes do trabalho com os colegas?
Sim, minha colega Amanda me ensina. Se tiver dúvidas depois, pergunto a Brian.

Você fala de seu trabalho com pessoas do N.E.C.C.?
Sim. Rachel já me perguntou se no fim do dia eu sinto que produzi. Respondi que sim. / Tradução de Roberto Muniz 

Mais conteúdo sobre:

AutismoFotocópiascheque