O currículo ideal

O currículo ideal

Não existe o currículo perfeito, pois os recrutadores, via de regra, observam vários fatores de formas diferentes

blogs

14 de julho de 2018 | 15h59

Imagem: Pixabay

Marcelo Treff, professor da Puc

Diante dos alarmantes índices de desemprego e de insatisfação com o emprego atual, muitos trabalhadores pensam em recolocação ou em mudança de empresa. E, ao se candidatarem a potenciais vagas, têm dúvidas sobre como elaborar o currículo ideal. E, o mais importante é saber que não existe o currículo perfeito, pois os recrutadores, via de regra, observam vários fatores de formas diferentes, conforme as necessidades da empresa e as características da vaga.

Mas como se sobressair diante de muitos outros candidatos? O que fazer para ser notado em meio a tanta concorrência?

A fim de evitar equívocos que comumente eliminam candidatos no processo de triagem, o primeiro passo deve ser focar no equilíbrio das informações contidas no currículo e, segundo, conhecer bem a empresa onde deseja trabalhar, procurarando estruturar as informações alinhadas com o perfil da mesma: nem detalhes em excesso, nem tão curto, pois o importante é ser objetivo e tentar capturar de imediato o recrutador.

Outro campo que desperta grande quantidade de dúvidas é a descrição das experiências (atuais e anteriores). Segundo os especialistas em recolocação, é desejável que o candidato se restrinja às suas experiências mais atuais e relevantes, pois trata-se de uma das partes fundamentais do currículo para o recrutador.

Cabe ressaltar que a ordem das experiências deve ser sempre da mais recente para a mais antiga e os dados que devem aparecer são: NOME DA EMPRESA ONDE TRABALHA OU TRABALHOU; PERÍODO EM QUE TRABALHOU (OU SE AINDA ESTÁ NELA); BREVÍSSIMA DESCRIÇÃO DA EMPRESA; ÚLTIMO CARGO OCUPADO OU FUNÇÃO REALIZADA; DESCRIÇÃO DAS SUAS ATIVIDADES NESTA EMPRESA.

Outro ponto a ser destacado é que algumas empresas estão utilizando o recrutamento online como um caminho mais ágil para divulgar e preencher suas vagas. Assim, os RHs recebem os currículos eletrônicos e, ao passar pelos “filtros digitais”, fazem a triagem dos candidatos, utilizando plataformas especializadas.

Nesses casos, é mais importante ainda que o candidato organize de forma precisa e assertiva as informações básicas do currículo, pois é muito comum os candidatos serem descartados por inconsistência nas informações.

Ademais, os testes online tem se apresentado como uma tendência e, as plataformas digitas são capazes de eliminar mais da metade dos candidatos logo nas primeiras fases, otimizando os resultados.

Esses testes, em geral, envolvem conhecimentos técnicos da área, além de conhecimentos gerais; raciocínios lógico e analítico; idiomas e personalidade, com questões de múltipla escolha e com um tempo previamente definido. Têm como principal objetivo checar as informações do currículo, além de identificar se o candidato sabe estruturar o raciocínio em pouco tempo. Por isso, nunca é demais lembrar que não se deve mentir ou omitir informações.

Importante destacar, ainda, são frequentes os testes de integridade/caráter, utilizados para analisar as capacidades de discernimento e de resistência a pressões situacionais diante de dilemas éticos.

Portanto, fica a dica: elaborar um currículo assertivo e obter uma pontuação alta nesses testes podem trazer destaque e garantir a continuidade no processo rumo à vaga pretendida.

Tudo o que sabemos sobre:

CurrículorecrutadorRecolocação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.