A gerente que você detesta espera ser convidada para seu casamento. E agora?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A gerente que você detesta espera ser convidada para seu casamento. E agora?

blogs

23 Outubro 2018 | 07h07

Foto: Pixabay

The New York Times

Uma jovem amiga minha vai se casar em poucos meses. Ela se sentiu obrigada a convidar sua superiora imediata para o casamento. Esta superiora foi à sua superiora mútua e contou tudo, falando do casamento e que ela (a superiora imediata) tinha sido convidada.

Agora minha amiga sente estar em uma saia-justa. Seu convite para a chefe direta foi feito com relutância, mas ela tem profundos sentimentos negativos sobre a chefe de sua chefe. No entanto, ela sente que não tem escolha a não ser convidá-la também, temendo retaliações se não o fizer. Isso pode arruinar o dia que ela aguarda há muitos anos.

Eu digo que ela deveria se arriscar e deixar a chefe da chefe fora disso. E se essa pessoa dificultar a vida de minha amiga no trabalho, então ela é a) louca e mal-intencionada, e b) pode precisar ser denunciada a uma autoridade ainda maior na empresa.Anônimo

Rob Walker, o ‘workologista’ responde:

O erro de sua amiga foi convidar a superiora imediata, embora com relutância. É muito mais fácil dizer que um casamento é apenas para familiares e amigos próximos e não convidar ninguém do escritório. Ou, no máximo, convidar apenas um ou dois colegas de trabalho que sejam genuínos amigos com os quais ela se socializa, e cuja inclusão não seria questionada. Quanto mais ela puder situar a decisão como uma política geral, melhor.

Mas é tarde demais para isso. Meu instinto próprio é semelhante ao seu. Um casamento é uma ocasião pessoal importante. Não convide ninguém que você não quiser lá e deixe que a situação se resolva sozinha. Então, de novo, é fácil para nós dizer isso, já que não somos os que vão enfrentar as prováveis consequências.

Então, em vez de dizer a ela o que fazer, tente ajudar sua amiga a definir a decisão. Mais direto: por que, precisamente, isso arruinaria o dia do casamento dela? Será que a simples presença dessa chefe será incômoda? Ou que ela provavelmente fará algo desagradável?

Se é mais próximo do primeiro, e é um casamento grande o suficiente, talvez seja mais fácil apenas convidá-la e evitá-la. (Haverá outras coisas para pensar, afinal de contas, e talvez em um ano a sua participação será esquecida.) Se ela é famosa por cenas de bebedeira, isso é diferente: não convide ninguém assim para o seu casamento.

Considere as possibilidades de “retaliação” da mesma maneira. Sua amiga pode reduzir possíveis problemas ao minimizar a conversa no local de trabalho sobre o casamento: não retorne ao escritório transmitindo notícias glamorosas do dia ‘extra especial’. Se a chefona não convidada sinalizar interesse, sua amiga poderia casualmente sugerir uma suposição de que essa chefe estava ocupada com obrigações mais importantes. Então ela deveria mudar de assunto, talvez pedindo algum tipo de conselho de trabalho totalmente não relacionado que de alguma forma lisonjeia a chefe da chefe. Se é realmente verdade que essa chefe é tão imprudentemente vingativa que ela não supera isso rapidamente, então talvez algum tipo de colisão seja inevitável.

Mas ajude sua amiga a dar um passo para trás e evite tomar a decisão mais extrema com base no pior cenário possível. Ela deve pesar os prós e contras, e imaginar de qual decisão, a longo prazo, é mais provável que ela se arrependa menos.