O novo chefe não está trabalhando. Você deve passar por cima dele?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O novo chefe não está trabalhando. Você deve passar por cima dele?

blogs

30 Outubro 2018 | 12h07

Foto: Pixabay

Trabalho como gerente de grupo em uma empresa de tecnologia. Cerca de seis meses atrás, meu diretor foi promovido a vice-presidente e enviado para a matriz. Um novo diretor foi contratado, mas parece-me, e para vários de meus colegas e outros interessados, que ele não é adequado.  Ele toma frequentes decisões precipitadas, critica as pessoas indevidamente, e além disso parece preguiçoso, faltando a reuniões importantes. Isso não melhorou nos meses em que esteve no trabalho.

Tenho uma linha aberta de comunicação com o diretor anterior, e estou pensando em reclamar com ele a respeito do desempenho do substituto. Algo me diz que quanto mais o tempo passa, mais difícil seria fazer algo sobre essa situação. Mas estou preocupado com os riscos. O que devo fazer? Se eu deveria agir, qual seria o melhor momento? Isaac

Ilustração: Gracia Lam / The New York Times

Rob Walker, o ‘workologista’, responde:

Agir pode ajudar, mas não por “reclamar”. Simplesmente não despeje um problema no seu antigo chefe; esclareça antecipadamente que avanço você espera de uma conversa.

Uma abordagem melhor pode ser a de pedir conselhos. Descreva os problemas que você está enfrentando, mas evite apenas listar julgamentos subjetivos sobre o quão “precipitado” ou “preguiçoso” você considera seu novo supervisor. Em vez disso, descreva problemas concretos e, mais importante, suas consequências: ele tomou a decisão X precipitadamente, e é por isso que o problema Y aconteceu; ele perdeu uma reunião sobre A, e B foi o resultado infeliz.

Apresente-se como alguém que está pensando na organização. E talvez seu ex-chefe realmente tenha sugestões úteis; você deve, de boa-fé, segui-los. Depois de ter trazido a situação a sua atenção, você pode dar um acompanhamento caso precise.

Existe definitivamente algum risco nisso. Seu antigo chefe pode ser um fã do novo diretor e interpretar tudo isso como uma dor de cabeça chata, ou até se sentir esfaqueado pelas costas. O novo supervisor pode descobrir que você passou por cima dele e se ressentir. Você terá que julgar se pode confiar no ex-chefe e se deu uma chance justa ao novo.

Depois de seis meses, no entanto, é improvável que ele mude espontaneamente o comportamento. E, finalmente, qualquer preocupação que você levantar será respondida com a pergunta razoável: se as coisas estavam tão ruins, por que você não disse nada? Então, se você quer mudar, você pode ter que assumir o risco, mais cedo ou mais tarde, para que isso aconteça. / The New York Times