O novo papel de quem ensina e o aprendizado pelo engajamento

O novo papel de quem ensina e o aprendizado pelo engajamento

Relação ensino-aprendizagem deve contribuir para pensar fora da caixa e propor soluções criativas, diz especialista em recursos humanos Ylana Miller

Ylana Miller

04 de agosto de 2020 | 12h23

A educação deu sinal de renascimento, em especial no que diz respeito às novas tecnologias e inovação no modelo de aprendizado. Cursos online, metodologias ágeis e transformação digital são a prioridade na pauta de educadores.

A experiência profissional e o repertório de práticas metodológicas são essenciais para os que se propõe a ensinar. O papel formal de docente é ocupado pelo facilitador que promove um aprendizado experiencial. Veio pra ficar o entretenimento em ambientes mais estimulantes e criativos. É o aprendizado pelo engajamento.

Em evidência estão os cursos mais curtos, conteúdo que está em todos os lugares e redes de relacionamento que promovem troca. O aprendizado se dá ao redor das pessoas, independentemente de ontem estejam. A combinação de presencial com virtual, a sala de aula invertida e o uso de jogos para resolução de problemas são algumas das metodologias que fortalecem esse novo ambiente de aprendizado.

A modelagem de ensino está cada vez mais centrada em quem aprende, priorizando o seu protagonismo. Apenas o saber não prepara mais para um pensamento inovador. Portanto, uma relação ensino-aprendizagem deve contribuir para pensar fora da caixa, propor soluções criativas, inspirar e atuar de modo inovador.

O desafio da educação está em ‘como ensinar’, fomentando conexões. Foto: Nesa by Makers/Unsplash

Ensinar é promover um espaço aberto para trocas. É interagir com provocações, promovendo reflexões e mudanças de comportamento. Os alunos são cocriadores, modelando seu aprendizado com ou sem apoio de quem ensina. Diria até que os facilitadores montam uma arquitetura que conecta as pessoas ao conteúdo a ser trabalhado.

O desafio da educação é de metodologia do aprendizado. Um novo papel que vai muito além de levar conteúdo às pessoas. A relevância está em “como ensinar”. Quem ensina deve fomentar conexões, relacionamentos e insights, propiciando uma experiência de aprendizado com protagonismo.

* Ylana Miller é especialista em recursos humanos, professora de pós-graduação e
sócia-diretora da Yluminarh – Desenvolvimento Profissional (ylana@yluminarh.com.br)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: