Por que não posso trabalhar de casa também?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que não posso trabalhar de casa também?

blogs

01 Novembro 2018 | 07h12

Foto: Pixabay

The New York Times

A recente coluna sobre um funcionário que trabalha em casa sem permissão me inspirou a perguntar sobre minha situação. Cerca de dois terços dos funcionários sob as ordens do meu chefe trabalham de casa um dia ou mais por semana. Quando eu comecei, ninguém trabalhava em casa. Meu chefe diria que esses funcionários agora podem fazê-lo por causa de circunstâncias específicas. Vários estão em um departamento que faz um trabalho especializado, vários estão em outras cidades e um (que entrou na empresa cerca de dez anos depois de mim) negociou um dia para trabalhar em casa quando foi contratado.

Eu faço exatamente o mesmo tipo de trabalho que alguns dos funcionários externos fazem. Também estou na mesma faixa salarial, embora eles morem em locais com um custo de vida muito menor. Então eu fiz um pedido há três meses para que eu pudesse trabalhar em casa um dia por semana.

Disseram-me que meus gerentes teriam de fazer uma avaliação em toda a empresa antes de decidir. Isso ainda está em andamento. Nosso escritório tem aproximadamente 120 funcionários, então não é como se fôssemos uma grande empresa. Sinto que isso é um tipo de discriminação. Pensamentos? – Anônimo

Ilustração: Gracia Lam / The New York Times

Rob Walker, o ‘workologista’, responde:

Eu posso imaginar que uma “avaliação em toda a empresa” deve parecer um exagero. Mas parece que sua organização adotou uma abordagem de retalhos para esta questão até agora, e pode estar percebendo que precisa estabelecer algum tipo de política. Se disserem sim para você, podem esperar mais pedidos.

Diferentes gerentes e organizações têm filosofias muito distintas sobre o trabalho remoto. Não é provável que você possa moldar o pensamento geral da sua empresa. Mas pode valer a pena ter uma conversa com quem quer que seja o gerente mais relevante, para assegurar a essa pessoa que você será tão produtivo como sempre – ou ainda mais, se você puder informar que, digamos, seu trabalho se beneficiaria da solidão estratégica ocasional.

Em contraste, eu não acho que “bem, deixe qualquer um” seja, por si só, o argumento mais convincente. E elevar o custo de vida mais baixo dos colegas em outras cidades é quase irrelevante. (Se você acredita que é mal pago, defenda um aumento!) / Tradução de Claudia Bozzo