Quando uma boa amiga se torna uma colega de trabalho terrível
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quando uma boa amiga se torna uma colega de trabalho terrível

REDAÇÃO

15 Março 2018 | 07h05

Pixabay / Creative Commons

The New York Times

Há alguns meses, entrei para uma nova empresa e comecei a trabalhar com uma amiga que realmente valorizo ??fora do trabalho. O problema é que no escritório, ela está me deixando louco. E está provavelmente colocando em risco a minha boa reputação. Acontece que minha amiga está profundamente insegura em seu trabalho. Ela tem ataques de nervos várias vezes por semana, ameaçando pedir demissão por causa de coisas de pouca importância (e esperando que eu a ajude quando se coloca à beira do precipício).

Pior que isso, ela me compromete, às vezes em frente aos chefes. Uma vez que ela quis se aproveitar da minha posição, dizendo que esteja na empresa apenas um mês a mais do que eu. Ela fala sobre muito projetos que estão na minha área, e não na dela, mas na verdade não ajuda. Em uma reunião recente com supervisores, ela até mesmo apresentou ideias minhas como se fossem suas. Nos dias em que ela não está, eu sou feliz e produtivo.

Isso está acabando comigo. Preciso desconectar-me profissionalmente, se possível mantendo nossa amizade. O nosso chefe é muito dedicado, e eu sinto que não há chance de que ela seja útil aqui. Por favor ajude. – Anônimo.

Ilustração: Gracia Lam/The New York Times–


Rob Walker, o ‘workologista’ responde:

Ao mesmo tempo em que você precisa ter uma conversa com sua amiga, isso não precisa ser um confronto de relacionamento, se você enquadrar as coisas com cuidado. Em primeiro lugar, faça algumas distinções em sua mente entre comportamentos que são irritantes (a birra, a intromissão) e aqueles que realmente são potencialmente danosos (prejudicando você na frente de seu chefe, roubando suas ideias).

Esse último, você deve abordar diretamente, assim como faria com qualquer colega. Encare os problemas assim que surgirem, não os deixe passar em branco – ou, pior que isso, se acumularem. Comece com uma resposta franca que a deixe de certa forma fora de perigo, mas envie uma mensagem clara: “Você apresentou meu conceito de máquina de movimento perpétuo como se fosse seu. Por que você fez isso?”. Se tais hábitos persistirem, torne-se mais contundente: “Talvez você não tenha essa intenção, mas quando você diz X ao nosso chefe, isso me causa o problema Z”. Seja civilizado, mas firme, deixando de fora qualquer frase como “sei que somos amigos, mas …” citando ressalvas. (E se você sentir que é útil a necessidade de esclarecer com seu gerente, por exemplo, a propriedade de uma ideia, faça isso.)

Policiar essas transgressões mais substanciais pode tornar mais tolerável, de certa forma, a sua relação de trabalho. Caso contrário, você ainda tem espaço para traçar alguns limites – e você pode achar que a maneira mais eficaz de fazer isso é estabelecer uma imagem de suas preferências, e não das limitações dela.

Para essa conversa, acho que você talvez queira se referir ao seu relacionamento: “Veja, eu realmente valorizo ??nossa amizade, e talvez essa seja apenas a minha personalidade, mas acredito que devemos ter alguns limites no escritório para que o trabalho não complique as coisas entre nós. E, afinal de contas, trabalhamos em diferentes áreas. Então, não há nenhuma razão para envolver-me em seu trabalho – e vice-versa”. Você pode acrescentar o que for mais específico para você, mas reitere a questão da amizade: Não vale a pena comprometer isso com a mesquinharias no local de trabalho.