As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Técnicas ajudam a manter o foco e evitar dispersões

Meditação transcendental, mindfulness e cronograma de atividades são medidas que auxiliam profissionais a não cair na procrastinação

CRIS OLIVETTE

12 Novembro 2018 | 07h49

Thaís Faruolo Kopanakis, gerente do departamento financeiro da rede Mania de Churrasco. Foto: Fabiana Scaramella/Divulgação

Manter o foco na produtividade e no cumprimento de metas não é tarefa fácil na conjuntura atual, porque os estímulos à dispersão chegam por inúmeras vias como redes sociais, sites, e-mails, ligações etc, colocando à prova a capacidade de concentração de cada um.

Psiquiatra, filósofo e cientista, Daniel Martins de Barros diz que existem duas formas de atenção: a voluntária e a espontânea. “A voluntária é aquela em que mantemos o foco em um determinado estímulo por vontade própria. É o que chamamos de concentração”, diz o colunista do Estado.

Daniel Martins de Barros é psiquiatra, filósofo, cientista e colunista do Estado. Foto: Hélvio Romero/Estadão

A atenção espontânea, segundo ele, é o desvio do foco para estímulos do ambiente – uma porta que bate, uma mensagem que chega. “Em uma palavra: distração. Essa é uma forma de atenção automática, que não é possível desligar, só podemos tentar controlá-la.”

Para não prejudicar a carreira, Barros recomenda que as pessoas criem ambientes livres de distrações. “Desligue alertas automáticos, feche as abas dos navegadores da internet, evite TVs ou rádios por perto. São formas de reduzir os estímulos para a atenção espontânea, facilitando o trabalho da atenção voluntária. Usar a pressão do tempo a nosso favor, também é uma forma de não ceder aos apelos à procrastinação.”

Segundo a coach especializada em mindfulness, ou atenção plena, Vivian Wolff, a neurociência já constatou que uma das tarefas que mais demandam esforço e energia do cérebro é selecionar, escolher e priorizar. “Por isso, começar o dia com esse tipo de tarefa pode exaurir a capacidade de produção logo no início da jornada. Para não ter esse desgaste, o profissional deve começar o trabalho com um cronograma já estipulado e com as tarefas classificadas em ordem de prioridade.”

Administradora de empresas que há oito anos gerencia o departamento financeiro da rede de restaurantes Mania de Churrasco, Thaís Faruolo Kopanakis reconhece que é uma pessoa que precisa de planejamento para manter o foco, e segue a orientação citada por Vivian.

Vivian Wolff, coach especializada em mindfulness. Foto: Roger Panhan/Divulgação

“Tudo o que planejo consigo executar melhor. Com um dia de antecedência costumo montar planilhas com as atividades que tenho de realizar, bem como as da minha equipe, por ordem de prioridades. Realizo uma por vez até que todas estejam 100% completas.”

Thaís acredita que todo ser humano dispersa facilmente em maior ou menor grau. “Por isso, tomo os devidos cuidados para que nenhuma situação ou ruído interfiram em minha produtividade. A palavra de ordem é foco. O controle e a organização estão acima de tudo, caso contrário, o trabalho não flui. Para isso é necessário muita atenção, disciplina e comprometimento com as informações de todas as unidades da rede, para estejam 100% corretas.”

A coach afirma que uma técnica que ajuda a manter o foco é o mindfulness. “É uma boa aliada para o aumento da produtividade e está se tornando popular no ambiente de trabalho. Empresas do mundo todo têm proporcionado esse aprendizado a seus funcionários”, conta.

Na Bayer, a prática de mindfulness ocorre todas as segundas-feiras. “É uma iniciativa muito interessante que ajuda os colaboradores a saírem do piloto automático e a colocarem corpo e mente na mesma sintonia. Isso ajuda na concentração e no alivio do estresse”, diz a administradora de empresas que há 12 anos atua como assistente executiva no setor de product supply da Bayer, Fernanda Percevallis.

Fernanda Percevallis, assistente executiva na Bayer. Foto: Arquivo pessoal

“Sinto-me valorizada por trabalhar em uma empresa que cuida do bem-estar dos colaboradores tão genuinamente”, acrescenta. Ela também é adepta da meditação transcendental. “Medito duas vezes por dia. Comecei a fazer meditação como válvula de escape, quando fraturei um cotovelo e me vi de licença, sem poder trabalhar e me exercitar por dois meses, e hoje é minha fonte maior de energia.”

A executiva afirma que com as duas práticas consegue ter insights que antes não tinha. “Consegui canalizar minha hiperatividade e hoje transformo a ansiedade em ação. Sinto-me mais disposta e saudável.”

Vivian diz que conhecer boas estratégias para turbinar o rendimento pode fazer a diferença entre um dia bom ou ruim. Além do cronograma diário de atividades em ordem de prioridades, ela recomenda períodos de descanso a cada 90 minutos.

“Faça intervalos de 5 a 10 minutos. Alongue, caminhe e respire. Mude o foco para algo que descanse sua mente e depois retome o trabalho na potência máxima”, diz.

Segundo a coach, ao trabalhar além do tempo médio que um ser humano consegue se concentrar dando o máximo de seu rendimento, a produtividade cai e é como se trabalhasse com o freio de mão puxado, com menos velocidade e muito mais chances de cometer erros.

A coach diz que ao encerrar o expediente, o profissional deve reservar um tempinho para colocar tudo em ordem e preparar o cronograma do dia seguinte.

“Um ambiente organizado poupa tempo e ajuda a aumentar a produtividade. Assim, quando chegar ao trabalho no dia seguinte, poderá usar as primeiras horas com o que realmente interessa: solucionar as tarefas que tem pela frente.”

Perfil

Presidente da diretoria executiva da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH- Brasil), Elaine Saad acredita que a propensão à distração pode ser uma característica do perfil da pessoa.

“Quem tem essa natureza tem de se perguntar que tipo de trabalho vai fazer. Se for um trabalho que exija muita concentração, terá de se bloquear para não dispersar. Por outro lado, se for fazer um trabalho mais aberto, que exija menos concentração, talvez tal característica passe despercebida”, avalia.

Elaine Saad, presidente ABRH- Brasil. Foto: Fredy Uehara/Divulgação

Elaine diz que as pessoas têm características diferentes e servem para atividades diferentes. “Não podemos rotular a pessoa e dizer que ela não tem capacidade de fazer nada. Isso não é verdade. Algumas carreiras podem aproveitar profissionais com esse perfil, quando se comunicam muito bem”, afirma. “Dependendo da atividade, pode não ser tão prejudicial. Pode ser, por exemplo, hostess, que tem de falar com todos e engajar as pessoas.”

Roteiro
Listar as pendências é mais importante do que parece. Ao tirar as obrigações da cabeça e materializá-las em uma lista, o cérebro não se preocupa tanto com elas e sobra espaço e energia para lidar com o trabalho em si

Direcionamento
Quando faz mais de uma coisa por vez, a pessoa perde o foco e coloca o cérebro em sobrecarga. Evite, por exemplo, falar ao telefone ao mesmo tempo em que responde e-mails

Disciplina
Não deixe que os e-mails mandem em você. Defina horários para acessá-los, como logo ao chegar ao trabalho, no final do dia ou entre tarefas. Desabilite os alertas de chegada de novas mensagens. Mantenha o celular por perto, mas longe do alcance das mãos. Isso fará diminuir as horas de Facebook e aumentará a sua produtividade