Ter autoridade ou cargo de chefia não transforma ninguém em líder
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ter autoridade ou cargo de chefia não transforma ninguém em líder

Alguns líderes fazem nascer um sentimento de força, de poder e de responsabilidade

blogs

21 Abril 2018 | 16h02

Imagem: Pixabay

Marcelo Treff, professor da PUC

Quando pesquisamos sobre o tema bons líderes ou liderança, na internet, apenas filtrando o enfoque empresarial/organizacional, encontramos infinidade de referências, o que já era comum na década de 1980.

No entanto, na visão de Mintzberg (2010), um dos mais respeitados teóricos da administração, apesar da popularidade, a pesquisa sobre a liderança não se traduziu em contribuições pertinentes.

Devemos refletir que liderança é um tema muito mais amplo e complexo do que simplesmente uma posição focada na eficiência produtiva, tendo de pressuposto a capacidade de líderes e liderados atingirem os resultados organizacionais.

Kets de Vries, no surpreendente livro Reflexões sobre Caráter e Liderança (2010), nos ensina que quando pensamos em líderes e liderança, uma multidão de imagens vêm à cabeça, muitas vezes coloridas de reações emotivas. Para o autor, “alguns líderes fazem nascer um sentimento de força, de poder e de responsabilidade; outros evocam as forças do terror, a perseguição e a destruição”.

As novas gerações têm demandado (e adotado) Estilos de Liderança mais inspiradores e transformadores e menos autoritários.

A pesquisa Líderes mais Admirados (2017) realizada pela Cia. dos Talentos ouviu mais de 113 mil profissionais – sendo 65,8 mil jovens e recém-formados – em nove países da América Latina. Do total de participantes, 82 mil eram brasileiros. Dos jovens entrevistados, 71% afirmaram que preferem trabalhar com líderes “focados em desenvolver as habilidades da equipe” e 29% com um “líder referência em sua área de atuação”.

Os três nomes que encabeçam a lista são descritos pelos jovens como sendo fonte de inspiração para “atingir metas” e “ter foco”. Eis a lista: 1. Bill Gates; 2. Jorge Paulo Lemann; 3. Steve Jobs; 4. Mark Zuckerberg; 5. Professor/ex-professor; 6. Barack Obama; 7. Silvio Santos; 8. Pai/mãe; 9. Elon Musk; 10. Chefe/ex-chefe.

Burns (1978), considerado por muitos autores renomados como um clássico, nos ensinou que liderança é um fenômeno dual, sendo que o ato de liderar e o de seguir o líder se retroalimentam. Portanto, fica a mensagem para gestores e empresas: simplesmente ter autoridade – ou cargo de chefia – não transforma ninguém em líder.

Mais conteúdo sobre:

liderançapoderresponsabilidade