Transformação digital quer  bater ponto no setor de RH
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Transformação digital quer bater ponto no setor de RH

Para participante do Conarh 2018, a mudança depende menos de tecnologia e mais de se adotar novos hábitos

Claudio Marques

13 Agosto 2018 | 07h22

Anitta vai encerrar evento. Foto: Fábio Motta/Estadão

Ana Katia
ESPECIAL PARA O ESTADO
A economia digital, baseada em tecnologias de computação e infraestrutura de comunicações, vem mudando o mundo do trabalho e está na mira da 44ª edição do Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas (Conarh 2018), que será realizado de 14 a 16 de agosto no SP Expo Center, em São Paulo. “Algumas carreiras estão sendo reinventadas e a forma de selecionar o profissional também será diferente”, diz Sandra Gioffi, diretora do Conarh, referindo-se ao impacto da tecnologia no setor de RH – uma das preocupações que permeiam o encontro, cujo tema deste ano é Protagonista da Transformação.

Chatbots

Criados inicialmente para a área comercial da Alelo, os chatbots (softwares que respondem dúvidas dos usuários) diminuíram, segundo a empresa, em 30% as chamadas para as centrais de apoio aos consultores. Hoje, também são usados pelo RH para informar sobre processos e até sobre a reforma trabalhista.

Para o head de inovação digital da Alelo, Demétrio Teodorov, esse tipo de uso da tecnologia libera o profissional de RH para cuidar de assuntos mais estratégicos do que informativos. “Transformação digital não é tecnologia, é comportamento.” A Alelo é uma empresa de benefícios em cartões, como os de alimentação, transportes etc.

No Conarh, Teodorov vai proferir a palestra “Tecnologias Disruptivas em Gestão de Pessoas” e vai comandar um workshop no Digital Lab do evento para, segundo ele, “destravar os executivos que estão tentando entender o que é transformação digital no RH”.

Ética e diversidade

O Conarh 2018 também vai destacar temas como diversidade e ética. “Todos são responsáveis por serem protagonistas e influenciar as pessoas. Queremos que o congressista saia uma pessoa melhor do que entrou”, diz Sandra.

Escritora, pesquisadora de filosofia política e ex-secretária adjunta de Direitos Humanos da cidade de São Paulo, Djamila Ribeiro fará a palestra “Criando um ambiente de respeito às diferenças”, em que aborda o conceito de ‘lugar de fala’ e polêmicas acerca do tema. A jornalista Márcia Neder, autora do livro A Revolução das 7 Mulheres, falará sobre preconceito de idade. “Muito se fala em diversidade nas empresas, sexual, étnica, racial. Mas se fala pouco na diversidade etária.”

Dallagnol

No rol de palestras magnas do Conarh 2018, há ainda espaço para personalidades de diferentes áreas de atuação como o procurador da República Deltan Dallagnol e o cantores Leo Chaves, da dupla Victor e Leo e Annita. Ela, que já proferiu palestra na Universidade Harvard (EUA), encerrará o 44º Conarh falando a respeito de sua experiência de empresária – administra a própria carreira de cantora, sendo responsável por sua experiência internacional e pela administração de sua forte presença nas redes sociais. Tendo a Lava Jato como tema, Dallagnol vai relacionar o aprendizado da operação com a cultura, processos e política de RH.

Entre os palestrantes, também estão An Verhulst-Santos, presidente da L’Oréal Brasil, Cristina Palmaka, CEO da SAP Brasil, Janete Vaz, vice-presidente do conselho do Grupo Sabin, e Sergio Rial, presidente executivo do Banco Santander.

Em paralelo, haverá a Expo ABRH. O Conarh é realizado pela Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH). Mais informações podem ser obtidas em www.conarh.org.br.

Mais conteúdo sobre:

Conarh 2018