Vagas de diversidade caíram 60% na pandemia, e então vieram os protestos raciais

Vagas de diversidade caíram 60% na pandemia, e então vieram os protestos raciais

Declínio das contratações após a pandemia foi acompanhado pelo recente crescimento de vagas no campo de diversidade e inclusão uma vez que empregadores são cada vez mais pressionados; iniciativas são menosprezadas quando há piora da economia

Jena McGregor, The Washington Post

17 de julho de 2020 | 06h01

As empresas americanas reduziram drasticamente a contratação voltadas à diversidade e inclusão quando a pandemia do novo coronavírus atingiu o país em meados de março. As ofertas diminuíram duas vezes mais rápido do que em outros recrutamentos, segundo dados de um dos maiores sites de vagas de emprego dos Estados Unidos.

Vagas como “diretor de diversidade”, “recrutador na área de diversidade e inclusão” ou “gerente de programa D&I” caíram quase 60% entre o início de março e o começo de junho, segundo o website Glassdoor. Uma queda mais aguda do que na área de recursos humanos, que também registrou uma queda de 49% nas ofertas de emprego, ou mesmo do que nas vagas no geral, que tiveram um declínio de 28%.

Mas, como o mundo corporativo dos EUA se comprometeu a trabalhar em favor da inclusão em meio ao ajuste de contas da injustiça racial no país que irrompeu após a morte de George Floyd nas mãos da polícia, a mesma categoria de vagas de emprego registrou uma recuperação. As ofertas no campo do D&I (Diversidade e Inclusão) aumentaram 50% em junho no Glassdoor, o maior aumento porcentual num período de quatro semanas desde janeiro de 2016, embora esteja bem abaixo do seu pico de março.

“O fato de as novas ofertas de emprego na área de D&I terem caído rapidamente é preocupante se isto indica que as empresas estão mais propensas a reduzir as vagas nessa função quando a situação fica difícil”, disse Daniel Zhao, economista sênior da Glassdoor.

Quanto à recuperação, ele acha “que o momento é ilustrativo. Porque o aumento de vagas D&I ocorre quase que imediatamente depois de os protestos começarem e indicam um aumento da pressão tanto da sociedade como dos seus empregados”.

Ao contrário das demissões, mais difíceis de monitorar em termos de cargos oferecidos, as ofertas de emprego são uma maneira mais pública de ver o que as companhias vêm priorizando. “A contratação é uma das ações mais visíveis e com mais impacto que uma companhia adota”, disse Zhao.

O forte declínio das contratações após a pandemia foi acompanhado pelo recente crescimento de vagas no campo da diversidade e inclusão uma vez que os empregadores são cada vez mais pressionados a aumentar o número de mulheres e pessoas pertencentes a minorias raciais em seu quadro de funcionários. Mas também intensifica as preocupações de que essas iniciativas são, com frequência, menosprezadas ou eliminadas quando há uma piora da economia.

Imagem de George Floyd estampa cartazes em protesto em Nova York. Foto: Caitlin Ochs/Reuters-13/6/2020

“Antes desse atual ressurgimento, isto ainda era muito menosprezado”, disse Nicole Sanchez, diretora executiva da Vaya Consulting, consultora focada em questões de diversidade, equidade e inclusão. “Como devo acreditar que aquilo que você julgava dispensável há algumas semanas repentinamente se tornou a coisa mais importante que está fazendo?”.

A Glassdoor avalia que sua plataforma cobre 80% das ofertas de emprego computadas pelo Departamento de Estatísticas de Trabalho dos Estados Unidos, embora elas abranjam mais vagas profissionais ou empresariais e provavelmente não representam bem os empregos sindicalizados ou que não exigem especialização em pequenas empresas.

Zhao disse não ser inesperado o fato de as vagas na área de recursos humanos caírem fortemente durante uma recessão, uma vez que as contratações diminuem e investimentos em treinamento e desenvolvimento sucumbem às pressões orçamentárias. Embora empregos no campo mais amplo do RH como gerência de benefícios e folhas de pagamento, sejam protegidos, funções ligadas à diversidade e inclusão quase sempre são mais suscetíveis, disse ele.

Dados obtidos semanalmente podem ser voláteis quando envolvem uma categoria menos de empregos, mas Zhao disse estar confiante quanto ao forte aumento das contratações no campo da diversidade e inclusão em junho quando examinado num período de quatro semanas. “Acho que o padrão é claro”, afirmou.

Os dados da Glassdoor também indicam que as ofertas para funções executivas, como diretor de diversidade, ou vice-presidente para a área de diversidade e inclusão, mais do que dobraram em junho.

Thumbtack, serviço online que compara consumidores com profissionais locais, contratou um novo diretor de diversidade depois dos protestos. Numa postagem na plataforma Medium em junho, o diretor executivo Marco Zappacosta disse que a empresa também estava oferecendo workshops contra o racismo e recrutando mais funcionários negros.

Mas, há dois meses, o diretor da área de diversidade e inclusão da Thumbtack, Alex Lahmeyer, disse no LinkedIn que ele e mais 250 empregados foram demitidos. Numa outra postagem, Lahmeyer escreveu que estava abalado ao ver grandes cortes nessa área. “As empresas usam programas de D&I como uma estratégia de relações públicas e depois os eliminam. Algumas empresas estão se defrontando com decisões financeiras difíceis, mas não é o pior momento para reduzir a função que garante que seus funcionários marginalizados sentem que são vistos e ouvidos”.

Rachel Marcuse, diretora operacional na consultora ReadySet afirmou que sua empresa também observou cortes em funções ligadas à diversidade quando teve início a pandemia, mas começou a ver mais ofertas de empregos quando seus próprios clientes trabalham com a máxima capacidade. Ela notou que a queda nas contratações ocorreu num momento em que os efeitos do coronavírus pesam desproporcionalmente sobre as pessoas não brancas, uma vez que, junto com outras infectadas, vêm perdendo o seu emprego por causa da pandemia, e isto em número bem maior do que no caso de pessoas brancas.

“Há uma certa ironia porque quando se enfrenta uma importante crise de saúde pública é exatamente o momento em que você mais precisa de profissionais da área de D&I e profissionais de recursos humanos para apoiarem os empregados que estão sendo afetados desproporcionalmente”, disse ela.

Segundo Sanchez, da Vaya Consulting, embora ela esteja contente ao observar o aumento das contratações, o importante é ver se as empresas darão aos contratados no setor de D&I o poder e o financiamento que precisam para terem sucesso na função. “Me sinto encorajada pelos recursos, pela intenção, mas apenas contratar um diretor de D&I não é uma solução mágica para alcançarmos a harmonia racial”, afirmou. / Tradução de Terezinha Martino

Receba no seu e-mail as principais notícias do dia sobre o coronavírus. Clique aqui.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: