finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Financial Times’ vê ascensão das mulheres em empresas do Brasil

Jornal britânico analisa presença feminina nos altos cargos do setor privado

Carla Miranda

15 de fevereiro de 2011 | 15h23

Após a eleição de Dilma Rousseff, a primeira mulher a assumir a Presidência do Brasil, o jornal britânico “Financial Times” publicou em seu site uma reportagem analisando a desigualdade entre homens e mulheres no setor privado do País.

O diário chega a duas conclusões: nos cargos relativamente altos, essa diferença está diminuindo, mas nos cargos mais elevados, de presidente de empresa, membro de conselho de administração e diretoria, a presença da mulher ainda está bem aquém de países desenvolvidos.

Enquanto na Noruega 44% do quadro de diretores das empresas são compostos de mulheres, no Brasil esse dado é de apenas 8%.

Mesmo quando chega lá, a mulher sente que é tratada de modo diferente. A presidente da rede de hotéis Blue Tree Towers, Chieko Aoki, disse ao “FT” que às vezes achava que era convidada para participar de conselhos de administração unicamente porque as empresas tinham uma “cota” informal de mulheres.

“Eles tentavam me fazer perguntas muito fáceis [nos conselhos de administração]. Mas eu não gostava disso. Queria ser tratada com igualdade”, disse Aoki, cuja empresa hoje administra 30 hotéis e emprega 4.000 pessoas.

Leia a reportagem no site do “Financial Times” (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: