As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘José Serra não tem sorte’, diz jornal francês ‘Le Monde’

Para o diário, cenário da campanha presidencial no Brasil não tem suspense

Carla Miranda

27 de agosto de 2010 | 16h14

Mais um veículo de comunicação estrangeiro diz que as eleições no Brasil estão praticamente definidas. O jornal francês “Le Monde” publicou um artigo no qual faz elogios tanto ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ao principal candidato na oposição, José Serra (PSDB), mas conclui que será Dilma Rousseff (PT) a próxima presidente da República.

—-
África pode ser o próximo Bric, diz O’Neill, criador do termo
Radar Econômico participa do prêmio Top Blog
—-

“Serra não tem sorte. Mais uma vez, esse veterano social-democrata, respeitado e competente, encontra Lula na sua frente”, afirma o autor do artigo, Jean-Pierre Langellier, correspondente do “Monde” no Rio de Janeiro.

O texto defende que o principal nome desta eleição não é Dilma nem Serra. “Por que assistimos a tal cenário que priva a campanha do seu suspense? A resposta tem uma só palavra: Lula”, diz o artigo.

“Lula investiu seu enorme capital de simpatia em benefício de sua herdeira política. […] No começo de 2010, os comentaristas se perguntavam se Lula poderia transferir a Dilma Rousseff parcela suficiente da sua popularidade. Essa questão não é mais colocada”, diz Langellier.  

Cenário quase definido

Antes do “Monde”, a revista britânica “The Economist” e o jornal do mesmo país “Financial Times” deram como praticamente certa a vitória de Dilma. O hebdomadário afirmou que a candidata está caminhando “rumo à Presidência” e o diário disse que ela deve ter uma “vitória retumbante”.

A agência de notícias Bloomberg informou que o grupo financeiro japonês Nomura, dono de um dos maiores bancos de investimentos do mundo, distribuiu um relatório aos clientes com o título: “Os 100 primeiros dias de Dilma”.

No documento, o banco não apenas dá como provável a vitória da candidata, como opina sobre como deveria ser a equipe econômica da petista.

O relatório diz que “é um sinal muito bom” que o ex-ministro da Fazenda  Antonio Palocci e o atual secretário de Política Econômica do órgão, Nelson Barbosa, estejam sendo cotados para assumir a pasta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.