finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Novo ministério vê cultura como bem de consumo passivo’

Ronaldo Lemos indica leitura de pesquisa da gerente de patrocínio da Petrobrás

Carla Miranda

21 de fevereiro de 2011 | 18h12

ronaldo_lemos01.jpgO novo Ministério da Cultura vê a cultura como “um bem de consumo passivo”, na opinião de Ronaldo Lemos (foto), colaborador do Radar Econômico.

Para entender a mudança de rumo na política cultural, Lemos indica a leitura do trabalho de uma pessoa que de certa forma também está no governo – a gerente de patrocínios da Petrobrás, Eliane Costa. A empresa, não custa lembrar, é a maior patrocinadora do País na área cultural.

Com a palavra, Ronaldo Lemos:

“Estava revendo hoje o trabalho da Eliane Costa sobre a gestão do Ministro Gilberto Gil à frente do Ministério da Cultura. O trabalho foi disponibilizado recentemente na íntegrada na internet e se chama “Com quantos gigabytes se faz uma jangada, um barco que veleje: o Ministério da Cultura na gestão Gilberto Gil, diante do cenário das redes e tecnologias digitais“.

“É uma pesquisa ampla a respeito das políticas do Ministério da Cultura nos últimos 8 anos, que tem como foco principal a relação entre políticas culturais e a tecnologia. Outro aspecto interessante é que ajuda a colocar em perspectiva as mudanças de rumo que vêm sendo implementadas pela Ministra Ana de Hollanda desde que assumiu o Ministério. 

“O trabalho mostra como Gil privilegiava a tecnologia como canal importante para o acesso, produção e disseminação da produção cultural, inclusive em áreas periféricas ou negligenciadas, abrançando ferramentas como o software livre ou as licenças Creative Commons. Sobre isso, a atual gestão do MinC aponta no sentido oposto, de enxergar a cultura como um bem de consumo passivo, privilegiando sobretudo o papel de entidades como o Ecad (entidade que arrecada e distribui dinheiro referente a direitos autorais).

“Dentre os pontos interessantes do trabalho, está a lembrança ao discurso proferido por Gil na NYU ainda em 2005, em que ele se afirmava como Ministro inspirado pela ética hacker, disposto a olhar de frente para os desafios trazidos pela tecnologia à produção cultural e sem medo de experimentação (o discurso está disponível na íntegra

Documento

e é uma boa leitura para os tempos atuais).

“Como disse, o trabalho da Eliane Costa ajuda não apenas a compreender os últimos 8 anos de políticas culturais no Brasil mas, especialmente, a colocar em perspectiva as ações da nova Ministra Ana de Hollanda no que diz respeito a decisões recentes, como a retirada das licenças Creative Commons do site do Ministério, a paralização da reforma dos direitos autorais, bem como sua aproximação do advogado do Ecad Hildebrando Pontes, que defende que o direito autoral deva ter duração eterna.

Em síntese, é um trabalho abrangente e que foi gentilmente colocado pela autora na íntegra para acesso online.”

Ronaldo Lemos é diretor do Centro de Tecnologia e Sociedade da Fundação Getulio Vargas. Atualmente é “visiting fellow” na Universide de Princeton, no Center for Information Technology Policy. É autor do livro “Direito, Tecnologia e Cultura”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: